Última hora
This content is not available in your region

Varsóvia enche-se de ativistas contra limitação do direito ao aborto

euronews_icons_loading
Varsóvia enche-se de ativistas contra limitação do direito ao aborto
Direitos de autor  APTV
Tamanho do texto Aa Aa

Sem receio de consequências legais, cerca de cem mil pessoas, oriundas de diferentes partes da Polónia, desafiaram as restrições impostas por causa da pandemia de Covid-19 para se fazerem ouvir, alto e bom som, em Varsóvia.

Esta sexta-feira, voltaram a protestar contra a decisão do Tribunal Constitucional, que conta com o apoio do Governo, de tornar o aborto praticamente impossível.

O Tribunal Constitucional considerou que o aborto em casos de malformação do feto é ilegal, precipitando uma vaga de protestos à escala nacional. Estes procedimentos representam cerca de 96% dos abortos legais no país.

O protesto desta sexta-feira é a maior de sempre desde que o Partido ultra católico Lei e Justiça está no poder.

As manifestações da "Marcha por Varsóvia" são de natureza pacífica, mas há registo de casos de ativistas de extrema-direita, que prometem proteger igrejas, e de hooligans envolvidos em contramanifestações contra os ativistas.

A polícia de Varsóvia deu conta numa dezena de detenções. O primeiro-ministro, Mateusz Morawiecki, acusou os manifestantes de "vandalismo" e associou os protestos ao aumento do número de casos de Covid-19 no país.