EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Moderna pede autorização de vacina nos EUA e na Europa

Moderna pede autorização de vacina nos EUA e na Europa
Direitos de autor Bill Sikes/AP
Direitos de autor Bill Sikes/AP
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Farmacêutica anuncia eficácia final de 94,1% para a sua vacina contra a Covid-19

PUBLICIDADE

A farmacêutica norte-americana Moderna avança esta segunda-feira com pedidos de autorização do uso da sua vacina contra a Covid-19 nos Estados Unidos e na Europa.

Duas semanas depois de anunciar uma eficácia de 94,5%, com base em estudos preliminares, a Moderna disse que os resultados completos confirmam uma eficácia de 94,1 por cento.

Tal Zaks, diretor clínico da Moderna:"Acreditamos que estes dados são robustos e devem ser claramente suficientes para permitir um uso de emergência nos Estados Unidos. E contamos também com autorizações de comercialização a nível global."

A terceira fase de testes da vacina envolveu 30.000 participantes, sem serem identificados efeitos secundários graves e, segundo a empresa, com uma eficácia de 100 por cento contra as formas mais graves da Covid-19.

Tal Zaks, diretor clínico da Moderna:"Em termos de preocupações de segurança significativas, de ameaças sérias à saúde, não houve qualquer motivo de preocupação até ao momento. Mas é claro que o processo de vigilância continua."

Se obtiver a autorização do organismo regulador dos medicamentos nos Estados Unidos, a Moderna espera ter prontas 20 milhões de doses da vacina até ao fim do ano, para o território norte-americano. A respeito da Europa, a farmacêutica espera providenciar uma quantidade significativa da vacina no primeiro trimestre de 2021.

A concorrente da Pfizer, desenvolvida em colaboração com o laboratório alemão BioNTech também poderá estar disponível até ao fim deste ano.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

População da China diminui pelo segundo ano consecutivo

Rishi Sunak pede desculpa aos familiares das vítimas da Covid-19

Rei da Suécia entrega os Prémios Nobel de 2023