EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Começou a corrida das farmacêuticas ao gelo seco

Amostra de gelo seco
Amostra de gelo seco Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Dióxido de carbono sólido pode conservar vacinas a muito baixas temperaturas.

PUBLICIDADE

Vacinas, conservação, transportes - é uma equação que promete rapidamente aumentar, e muito, a procura por gelo seco, conhecido por ser dos mais eficazes métodos de acondicionamento a frio. 

Trata-se de dióxido de carbono sólido, que atinge temperaturas ainda mais baixas do que os 70 graus negativos requeridos pela vacina da Pfizer/BioNTech. Tem ainda a vantagem de derreter-se em armazenamento em forma gasosa e não líquida.

"Temos muito trabalho, recebemos pedidos de vários países. A procura multiplicou-se por 4 ou 5. Há países que não têm produção de gelo seco, portanto vão ter de instalar máquinas nossas para distribuir localmente as vacinas", diz Christophe Cuigniez, diretor comercial da empresa belga Cryonomic. 

Isto porque, até agora, a produção industrial de gelo seco na Europa não era de larga escala.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Comissão Europeia pressiona farmacêuticas

Chéquia com número recorde de casos de tosse convulsa

Direção-Geral da Saúde reporta surto de Hepatite A em Portugal