EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Projeto de lei contra separatismo religioso no centro da polémica em França

Projeto de lei contra separatismo religioso no centro da polémica em França
Direitos de autor K.M. Chaudary/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor K.M. Chaudary/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Texto é apresentado esta quarta-feira em Conselho de Ministros

PUBLICIDADE

É sem dúvida o texto legislativo mais controverso da segunda metade do mandato do presidente francês, Emmanuel Macron. O projeto de lei contra o separatismo religioso , reorientado com o objetivo de "confirmar e defender os valores republicanos", será apresentado esta quarta-feira em Conselho de Ministros.

O texto pretende limitar drasticamente o "ensino doméstico", o que já está a gerar polémica, com o Conselho de Estado a avisar que há um risco de inconstitucionalidade. Em França, cerca de 100.000 estudantes são formados à margem do sistema educativo presencial.

O governo também pretende apertar o controlo a escolas privadas não contratuais, um terço das quais religiosas, e alargar a todos os estudantes o sistema de identificação nacional aplicado atualmente aos alunos convencionais.

O assassinato brutal do professor Samuel Paty, depois deste mostrar caricaturas de Maomé em classe, motivou a qualificação de um novo delito relacionado com ameaças de morte e divulgação de informação privada através das redes sociais.

O projeto de lei também tenta combater a radicalização das associações religiosas ampliando os motivos de dissolução e limitando o financiamento proveniente do estrangeiro.

Com este texto, Macron não quer apenas travar a radicalização religiosa que ameaça os valores da Républica francesa, mas pretende também impedir a extrema-direita de se apropriar da questão, a menos de dois anos das próximas eleições presidenciais. No entanto, a iniciativa atraiu críticas no estrangeiro, sobretudo por parte de países muçulmanos, que acusam o presidente francês de querer estigmatizar o Islão. E até mesmo no mundo anglo-saxão, a ferrenha defesa francesa do secularismo parece estar a ser mal compreendida.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Governo francês propõe-se combater radicalismo islâmico

Macron desloca-se à Nova Caledónia para tentar pôr termo à violência no arquipélago

Autoridades tentam recuperar o controlo da autoestrada de acesso ao aeroporto da Nova Caledónia