EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Protestos e vontade de mudança

Protestos e vontade de mudança
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Ana RuivoEuronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

No leste da Europa, 2020 foi um ano de revolta e de luta pela liberdade

PUBLICIDADE

 Este ano, em países muito diferentes mas com um passado comum lutou-se por liberdade. Mas apesar dos confrontos e do aumento da violência, os líderes não desistiram e alguns reforçaram o poder com novas leis.

Bielorrússia

Em Agosto, 200 mil manifestantes reuniram-se no maior protesto da história da Bielorrússia contra as acusações de fraude e a reeleição do presidente, no poder há 26 anos. A repressão policial provocou mortes, feridos e milhares de detenções.

Cada vez mais pressionado, Aleksandre Lukashenko anunciou uma nova constituição e declarou que depois de ser adotada renunciará ao cargo de líder do país.

A União Europeia condenou a violência e prometeu apoio económico para qualquer transição democrática que respeite os direitos humanos. Bruxelas ofereceu ajuda aos opositores como Svetlana Tikhanovskaya que ficou em segundo lugar nas presidenciais e fugiu para a Lituânia. 

O Parlamento Europeu dedicou o Prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento à oposição bielorrussa.

Bulgária

Noutro país, desta vez um Estado-membro da UE, também há um líder quer consolidar o poder. Durante três meses, os búlgaros exigiram a demissão do primeiro-ministro. Boyko Borissov é acusado de corrupção e ligações à máfia. 

As dificuldades políticas de Borissov levantam questões difíceis para a União Europeia. 

O Estado-membro mais pobre luta contra a corrupção e os desafios do Estado de direito, quase 14 anos depois da adesão ao bloco europeu.

Rússia

No poder desde 2000, Vladimir Putin é o líder mais antigo na história moderna russa . Tem 68 anos e já está a pensar no futuro. O quarto mandato termina em 2024, mas com o referendo de julho sobre a reforma constitucional, aprovado com 78% dos votos, pode permanecer no poder mais dois mandatos, até 2036.

Os críticos dizem que Putin quer tornar-se um "presidente vitalício" e Alexei Navalny, o principal líder da oposição, descreve o resultado das presidenciais como uma "grande mentira" que não reflete a verdadeira opinião pública do país.

Em agosto, Navalny sobreviveu um envenenamento e acusou Putin de estar envolvido numa tentativa de assassinato. O caso aumentou a tensão entre europeus e russos, numa altura em que o Kremlin é cada vez mais criticado pela opinião pública.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Manifestantes regressam às ruas da Bielorrússia

OSCE pede repetição das presidenciais na Bielorrússia

Prémio Sakharov vai para oposição da Bielorrússia