EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Prémio Sakharov vai para oposição da Bielorrússia

Prémio Sakharov vai para oposição da Bielorrússia
Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Isabel Marques da SilvaMéabh McMahon com Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A União Europeia não reconheceu o resultado das eleições e aprovou um pacote de sanções contra o regime, incluindo o presidente Lukashenko.

PUBLICIDADE

O Prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento, em 2020, vai para oposição democrática na Bielorrússia.

O anúncio foi feito, quinta-feira, pelo presidente do Parlamento Europeu , David Sassoli, em sessão plenária.

Nas ruas desde agosto, depois de eleições presidenciais fraudulentas, a oposição da Bielorrússia é conhecida, sobretudo, pelos rostos de três mulheres perseguidas pelo regime.

Uma delas é Svetlana Tikhanovskaya, que recentemente deu o seu testemunho aos eurodeputados sobre a repressão levada a cabo pelo regime de Alekasander Lukashenko, e que já agradeu o galardão.

"Estou muito contente por nos terem dado este prémio, que não é apenas atribuído a mim, mas ao povo bielorrusso, porque agora somos um organismo único que luta contra o regime", disse Svetlana Tikhanovskaya, em viagem na Dinamarca (está exilada na Lituânia desde agosto).

O prémio distingue o Conselho de Coordenação da Bielorrússia, qualificado pelo Parlamento Europeu como uma "iniciativa de mulheres corajosas e figuras da sociedade civil e política", e que engloba diferentes personalidades, incluindo a laureada com o prémio Nobel da literatura em 2015, Svetlana Alexijevich.

Aquilo que os ajuda é que a violência nunca poderá ganhar"
David Sassoli
Presidente do Parlamento Europeu

"Queria congratular os representantes da oposição da Bielorrússia pela sua coragem, resiliência e determinação, já que encarnam no quotidiano a defesa da liberdade de expressão e pensamento que o prémio Sakharov gratifica, e continuam a mostrar-se fortes perante um adversário muito potente. Aquilo que os ajuda é que a violência nunca poderá ganhar", salientou o presidente do Parlamento Europeu, David Sassoli. 

Grande maioria dos eurodeputados aprovou escolha

O vencedor recebeu o apoio do Partido Popular Europeu (centro-direita), Renovar a Europa (liberal) e da Aliança Progressista dos Socialistas e Democratas (centro-esquerda).

Andrius Kubilius eurodeputado de centro-direita e ex-primeiro-ministro da Lituânia, país vizinho da Bielorrússia, realçou a importancia geopolítica da decisão: "É um sinal não apenas para Lukashenko, mas também para o o presidente russo Vladimir Putin, em Moscovo, que continua a apoiar Lukaschenko, e acho que isso é um grande erro dos políticos em Moscovo".

A União Europeia não reconheceu o resultado das eleições e aprovou um pacote de sanções contra o regime, incluindo o presidente Lukashenko.

O prémio Sakharov, no valor de 50 mil euros, deverá ser entregue numa cerimónia a 16 de dezembro.

Além da oposição bielorrussa, eram também finalistas a ambientalista hondurenha Berta Cáceres e os ativistas de Guapinol, e o arcebispo de Mossul (Iraque), Najib Mikhael Moussa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Protestos e vontade de mudança

Mais de 500 detidos na Bielorrússia

Governo esloveno reconhece Estado palestiniano enquanto aguarda a aprovação do Parlamento