2020: o ano que "levou ao tapete" os aviões e o turismo

2020: o ano que "levou ao tapete" os aviões e o turismo
Direitos de autor euronews
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A onda de choque da pandemia atingiu em cheio o setor da aviação e por arrasto a hotelaria. A recuperação ameaça ser difícil e já nem ser para todos

PUBLICIDADE

O Natal e o fim do ano motivam uma época tradicionalmente para nos reunirmos em família e com quem mais gostamos para desfrutar e partilhar eventos passados, mas este ano muitos vão ter de ficar confinados em casa e sem grandes celebrações.

Par Trehorning, um reformado de 71 anos na Suécia, considera que "as pessoas estão muito relutantes em reunir a família, em particular os avós". "Receiam viajar com eles ou ao encontro deles, de jantarem com eles. Acho que muitas pessoas estão preocupadas se vale a pena arriscar ficar infetado”, admitiu este sueco.

Sem exagero, podemos dizer que a pandemia de Covid-19 virou do avesso as viagens e o setor do turismo. Estar em confinamento fez a maioria dos cidadãos europeus perceber a importância de viajar.

O diretor-executivo da Comissão de Viagens Europeias, da qual o presidente da administração é o português Luís Araújo, resumiu à Euronews que "o ano de 2020 não foi apenas disruptivo". "Foi também devastador para muitos empreendedores no setor do turismo e das viagens", considerou.

"Toda esta coisa que começou como um surto chinês, chegou à Europa, depois espalhou-se pelo resto do mundo e teve um enorme impacto numa indústria, que vinha não só trabalhar bem, mas a crescer com um grande sucesso, orientado pelas receitas e pelo lucro", destacou Eduardo Santander.

Na União Europeia, o turismo contribui com 10% do PIB e gera emprego para 26 milhões de pessoas através dos impactos direto, indireto e induzido na economia. Em particular, entre os jovens, as mulheres e os imigrantes.

A aviação civil partilha as dores provocadas pela pandemia no hábito de viajar. O setor está a sofrer a maior crise de sempre. A maioria dos aviões estão parados e alguns dos aeroportos mais movimentados ficaram subitamente silenciosos.

A Associação Internacional de Transportes Aéreos (IATA) estima perdas de de €100 mil milhões este ano e o colapso das viagens aéreas ameaça a susbsistência de 46 milhões de pessoas.

“Refiro sempre esta dicotomia entre as autoridades de saúde e do turismo, ou, se preferirem, com as viagens a mobilidade e os transportes.

"Um dia que passe é um dia em que as autoridades de saúde ganharam. Puderam fazer mais pesquisa, as vacinas estão cada vez melhores, a população está a conseguir a imunidade de que precisa.

"Pelo contrário, um dia que passe para o negócio das viagens e do turismo, é mais um dia que perdemos.

"Há pessoas a ficar sem trabalho, há empresas a fechar. Algumas para sempre.
Eduardo Santander
Presidente da Comissão de Viagens Europeias

As companhias aéreas devastadas pela Covid-19 estão a preparar-se para papéis-chave nos programas de vacinação em larga escala e que lhes podem valer valiosos contratos e, mais importante, ajudar a própria recuperação e sobrevivência a levantar voo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Revista do Ano 2020 na União Europeia

Greve na Lufthansa afeta 100 mil passageiros

Greve do pessoal de segurança nos aeroportos alemães vai cancelar mais de mil voos