Última hora
This content is not available in your region

Líderes acreditam na retoma

euronews_icons_loading
Líderes acreditam na retoma
Direitos de autor  Markus Schreiber/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

Agradecimento pelo esforço e pela superação durante um dos anos mais difíceis das últimas décadas e palavras de esperança para o novo ano que começa com uma luz ao fundo do túnel. A crise e o coronavírus foram palavras incontornáveis nas mensagens de Ano Novo dos principais líderes europeus.

Para Angela Merkel, a pandemia é "o desafio político, social e económico do século. É uma crise histórica que tem custado muito a todos e demasiado a alguns". A chanceler alemã reconhece que “o envolvimento neste feito histórico exigiu e continua a exigir uma tremenda confiança e paciência a todos” e agradece a compreensão aos residentes na Alemanha.

Em França, o governo tem sido criticado porque a campanha de vacinação está a avançar lentamente. No discurso de Ano Novo, Emmanuel Macron garantiu que a prioridade é segurança. Em relação a 2021, o presidente francês escolhe palavras de ânimo. Diz que "a esperança cresce todos os dias" e que "a retoma já começou em França, mais do que em qualquer outro lugar". Macron acredita que vai ser possível "a partir da primavera, inventar uma economia mais forte e, ao mesmo tempo criadora de emprego, mais inovadora, mais respeitadora do clima e da biodiversidade e mais solidária".

Boris Johnson falou ao país a poucas horas da entrada em vigor do Acordo de Comércio Livre com a União Europeia. O primeiro-ministro britânico garantiu que o Reino unido será um pais "aberto, generoso e virado para o exterior".

No balanço sobre 2020, disse que foi um ano em que “redescobrimos um espírito de união e de comunidade”. Um ano em que os trabalhadores fizeram tudo para manter o país em movimento na maior crise das últimas gerações. Boris Johson sublinhou a determinação das pessoas e do país para proteger o Serviço Nacional de Saúde e para salvar vidas.

Em 2010, o Reino Unido tornou-se no primeiro país do mundo a aprovar clinicamente uma vacina contra a Covid-19.