Última hora
This content is not available in your region

Geórgia mais perto de "virar" democrata

euronews_icons_loading
Geórgia mais perto de "virar" democrata
Direitos de autor  Brynn Anderson/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

Um dos lugares em jogo nas senatoriais do Estado norte-americano da Geórgia está já a ser reivindicado pelo candidato democrata, a quem vários órgãos de comunicação dão a vitória por uma margem muito pequena.

Esta segunda ronda teve de ser organizada depois de, nas eleições de novembro, simultâneas às presidenciais, nenhum ter recolhido mais de 50%.

Os republicanos esperam que a forte afluência resulte na reeleição de Kelly Loeffler e David Perdue.

Do lado democrata, Raphael Warnock já se declara vencedor e Jon Ossoff espera ir pelo mesmo caminho.

Os democratas precisam dos dois assentos em jogo para poderem controlar o Senado e assim o conjunto das duas câmaras do Congresso, o que fará certamente Joe Biden respirar de alívio. Um controlo republicano do Senado ataria as mãos de Biden no que toca a boa parte da legislação que quer aprovar.

Este tira-teimas é importante também para a validação, por parte do congresso, do voto do Colégio eleitoral a favor de Joe Biden, já um controlo democrata evitaria novos paus na engrenagem por parte de Donald Trump, que tenta a todo o custo reverter o resultado das eleições e continua a recusar aceitar a derrota.

Tanto Trump como Biden têm feito campanha na Geórgia, nos últimos dias. A tomada de posse do novo presidente está marcada para o dia 20 de janeiro, mas este tem sido um percurso difícil para o presidente eleito, que enfrenta uma resistência, por parte do perdedor, nunca antes vista na história dos Estados Unidos.