Última hora
This content is not available in your region

Mais de dois mil detidos em protestos por Navalny

euronews_icons_loading
Polícias confrontam manifestantes no protesto pela libertação de Alexei Navalny em Moscovo
Polícias confrontam manifestantes no protesto pela libertação de Alexei Navalny em Moscovo   -   Direitos de autor  Dmitri Lovetsky/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

Por Alexei Navalny e contra Vladimir Putin: dezenas de milhares de pessoas manifestaram-se este sábado para exigir a libertação do mais conhecido líder da oposição russa.

A correspondente da euronews, Galina Polonskaya, explica que os residentes de várias cidades russas sairam à rua para apoiar Navalny, apesar do Kremlin ter afirmado que qualquer manifestação não autorizada seria "inaceitável".

Em Moscovo, tal como noutras grandes cidades, as detenções começaram pouco depois do início dos protestos. Segundo a ONG OVD Info, há registo de mais de duas mil detenções em todo o país.

A esposa de Navalny foi detida na capital, mas acabou por ser libertada.

Uma residente de Moscovo afirmava: "Alexei Navalny arriscou a vida e fez muito por nós. Penso que chegou o momento de fazermos algo por ele e exprimir-mos a nossa opinião acerca da justiça russa e daquilo em que se tornou."

Outra manifestante dizia: "Navalny conduziu uma investigação à sua tentativa de assassinato, identificando oficiais do FSB como responsáveis. As autoridades deviam ter investigado e julgado os envenenadores. Em vez disso, prendem e julgam os envenenados, prendem Navalny... É o cúmulo do cinismo!"

O líder da oposição foi detido no início da semana assim que regressou à capital russa, vindo de Berlim, onde se recuperou de uma tentativa de envenenamento que quase o matou.

A União Europeia já reagiu às manifestações a favor de Navalny e contra o presidente russo, "deplorando" as detenções e denunciando "o uso desproporcionado da força" por parte das autoridades russas.