Última hora
This content is not available in your region

Milhares protestam contra prisão de Alexei Navalny

Access to the comments Comentários
De  euronews
euronews_icons_loading
Milhares protestam contra prisão de Alexei Navalny
Direitos de autor  AP Photo
Tamanho do texto Aa Aa

As ruas de Moscovo encheram-se de pessoas, na noite desta terça-feira, em protesto contra a condenação a cerca de três anos de prisão de Alexei Navalny, um dos mais conhecidos opositores de Vladimir Putin.

As manifestações, em frente ao tribunal, têm-se repetido, nos últimos dias. Mais de três centenas de pessoas foram detidas pelas autoridades.

Nas redes sociais, surgiram vídeos, provenientes de várias cidades russas, onde se vê a polícia a bater em manifestantes com bastões.

Milhares de pessoas foram detidas, em toda a Rússia, por participarem nos protestos contra o julgamento do contestatário.

Uma das manifestantes, disse que participa nas manifestações porque defende liberdade de Navalny e os direitos e liberdades dos russos. A jovem referiu que se "Navalny foi condenado, isso significa que não existe lei no país".

Alexei Navalny foi preso, em janeiro, por violar as condições da sua pena suspensa, emitida em 2014, por lavagem de dinheiro, que segundo a defesa tem motivações políticas.

Navalny foi detido ao regressar, à Rússia, proveniente da Alemanha, onde esteve a ser tratado depois de ter sido envenenado com o agente químico novichock, em agosto do ano passado.

A presidente da Comissão Europeia já se manifestou contra a sentença. No Twitter, Ursula von der Leyen instou a Rússia libertar, de imediato o líder da oposição.

A porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, afirmou que os Estados Unidos apelam à Rússia "para que liberte, imediatamente, Navalny, assim como centenas de cidadãos russos detidos indevidamente, nas últimas semanas, por terem exercido os seus direitos".

Alexei Navalny, de 44 anos e um crítico frontal do regime de Vladimir Putin, deverá agora cumprir uma pena de dois anos e oito meses de prisão.

Os advogados do opositor anunciaram que vão recorrer da sentença.