Falsas informações em Inglaterra podem custar 10 anos de prisão

Matt Hancock, min. da Saúde britânico
Matt Hancock, min. da Saúde britânico Direitos de autor Tolga Akmen/AFP or licensors
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Inglaterra endurece medidas para viajantes que entrem no território. Quem mentir sobre a proveniência incorre numa pena de até 10 anos de prisão.

PUBLICIDADE

Quase dois mil euros. É quanto custa o "pacote quarentena" em Inglaterra, que inclui alojamento e testes para os cidadãos britânicos e irlandeses que venham de países incluídos na chamada "lista vermelha", da qual Portugal faz parte. E não é uma opção. Todos aqueles que tentem evitar o isolamento e prestem falsas informações sobre a proveniência, incorrem numa pena de prisão que pode ir até aos 10 anos.

Medidas duras para tempos duros, que passam também, explicou o ministro da Saúde, Matt Hancock, por vários escalões de multas para quem falhe alguma das etapas de controlo e testagem.

Por sua vez, Espanha regista o mais alto número diário de vítimas mortais desta terceira vaga, 766, e suplanta a fasquia dos 3 milhões de casos de infeção. A ministra da Saúde, Carolina Darias, anunciou que "a evolução da variante britânica" levou a nova extensão das restrições sobre os voos do Reino Unido, até pelo menos ao início de março. Na mesma situação, e por razões idênticas, estão os trajetos do Brasil e África do Sul.

A Alemanha está a viver uma curva descendente em termos de novos contágios, mas nem por isso se espera um alívio de medidas. Vários especialistas aconselham mesmo a prolongar as restrições até ao final de fevereiro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Velha guarda do rock em peso na abertura da Gibson Garage

Notas com cara de Carlos III entram em circulação em junho

As Falklands pertencem ao Reino Unido? Nova sondagem revela que nem toda a gente na Europa está de acordo