This content is not available in your region

Frio piora condições aos migrantes retidos em Calais

Access to the comments Comentários
De  euronews
euronews_icons_loading
Frio piora condições aos migrantes retidos em Calais
Direitos de autor  AFP

Em pleno inverno, baixas temperaturas pioram as condições de vida aos migrantes retidos em Calais, França.

As condições já não eram as melhores e agora já não há água das torneiras porque congelou.

Nos abrigos improvisados da cidade francesa, o frio veio piorar a vida destes migrantes, que procuram um futuro melhor, no Reino Unido, do outro lado do Canal da Mancha.

Babaladé tem 31 anos, veio da Somália. Não está habituado a temperturas tão baixas.

"Durmo numa barraca e até a barraca está congelada", conta à Euronews. "Para abri-la tive que rasgá-la porque o zíper estava congelado.".

Foram abertos abrigos de emergência onde os migrantes podem passar a noite depois de uma refeição quente. As ONGs acusam as autoridades de Calais de hipocrisia.

"O que está a acontecer em Calais e em Grande-Synthe é simplesmente vergonhoso. Fazem crer que estão a abrir alguns centros, com grande alarido... centros aos quais os migrantes não querem ir justamente por estar muito longe dos locais de passagem", conta Yann Manzi, vice-presidente da ONG Utopia56. "Eles querem ir para a Inglaterra, há anos que olhamos para este sistema e não funciona.".

De acordo com ONG de Yann Manzi, são perto de 500 os migrantes que vivem atualmente em condições precárias, na zona nordeste de Calais. Nem a qualidade de vida nem o frio afastam a vontade de atravessar o canal.