Última hora
This content is not available in your region

Continuam os protestos em Myanmar

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Continuam os protestos em Myanmar
Direitos de autor  Aung-Shine/AP
Tamanho do texto Aa Aa

Em Myanmar continuam os protestos diários contra o golpe de estado militar, apesar da proibição de reuniões públicas de cinco ou mais pessoas e das numerosas detenções ordenadas pela Junta, no poder.

Ao mesmo tempo, continua a pressão da Comunidade internacional. Esta sexta-feira, o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas (ONU) adotou uma resolução proposta pela União Europeia (UE) e pelo Reino Unido, que condena o recente golpe militar no país e exige a libertação imediata de Aung San Suu Kyi, a chefe do governo civil deposta

Nada Al-Nashif, alta Comissária adjunta para os Direitos Humanos da ONU, sublinhou que o uso indiscriminado de qualquer arma contra manifestantes pacíficos é inaceitável e defendeu que aumento da violência contra o povo de Myanmar “só agrava a ilegitimidade do golpe e a culpa dos seus líderes".

A ONU diz estar a acompanhar de perto a situação de centenas de políticos, funcionários do estado, ativistas e membros da sociedade civil que foram detidos durante o golpe militar do dia 1 de fevereiro.