Europa aperta o cerco a variantes do novo coronavírus

Europa aperta o cerco a variantes do novo coronavírus
Direitos de autor Matthias Balk/(c) Copyright 2021, dpa (www.dpa.de). Alle Rechte vorbehalten
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Autoridades reforçaram os controlos fronteiriços na Alemanha

PUBLICIDADE

A partir de hoje, vários hotéis localizados nos arredores do aeroporto de Heathrow passarão a ser a casa de passageiros considerados de risco para o Reino Unido.

O executivo britânico obriga os viajantes oriundos de 33 países identificados como sendo de alto risco de infeção com Covid-19 a fazer quarentena durante dez dias. E a pagar 2000 euros pela estadia.

Portugal, Brasil e África do Sul constam da "lista vermelha."

"Tomámos algumas medidas para tornar tudo mais acolhedor, como se as pessoas estivessem em casa. Os quartos têm pratos e talheres. Ao terem acesso ao menu, em formato take-away, as pessoas podem depois colocar a comida em pratos reais e desfrutar da refeição como fariam em casa se a comida fosse entregue, por exemplo", explicou Vincent Madden, diretor administrativo no grupo hoteleiro Arora.

O primeiro-minstro britânico, Boris Johnson, anunciou, entretanto, que os passos para aliviar as restrições por causa da Covid-19 serão "cautelosos mas irreversíveis."

Ainda na Europa, para entrar na Alemanha, só com um teste negativo à Covid-19 e é obrigatório fazer pelo menos dez dias de quarentena à chegada. Nas fronteiras com a Chéquia e a Áustria, a polícia alemã obrigou cinco mil pessoas a voltarem para trás.

As autoridades apertaram o controlo para evitar a propagação das variantes britânica e sul-africana do novo coronavírus no país.

Em Itália, a 12 horas da reabertura das pistas de esqui, o ministro da saúde adiou a data para 5 de março, para tentar deter o avanço da Covid-19. Prejuízos adicionais para quem apostou tudo em nome de uma reabertura nesta segunda-feira.

"Em toda a Itália estamos a falar de vários milhões de euros, considerando uma estância de esqui como Bardonecchia, que representa 40 mil euros por dia. Se pensarmos em estâncias da Lombardia e Piemonte estamos a falar em milhões de euros deitados fora", lamentou Marco Bussone, presidente do Sindicato Nacional de Cidades e Comunidades de Montanha (UNCEM).

França e Alemanha adotaram medidas idênticas nas estâncias de esqui, à espera de melhores dias.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alfabeto grego identifica variantes do novo coronavírus

Setor da aviação prevê ano histórico em 2024

COP 28 lembra os efeitos do aquecimento do planeta na saúde