Última hora
This content is not available in your region

Emissário da ONU recomenda embargo às armas ao Myanmar

euronews_icons_loading
Polícia anti-motim nas ruas de Rangum
Polícia anti-motim nas ruas de Rangum   -   Direitos de autor  STR/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

A repressão dos protestos contra a junta militar no Myanmar saldou-se esta sexta-feira em pelo menos mais um manifestante morto por disparos da polícia.

A nova jornada de violência coincidiu com uma reunião à porta fechada do Conselho de Segurança da ONU para debater a situação, depois dos Estados Unidos terem imposto novas sanções contra os interesses da junta fora do país.

Desde o golpe de Estado militar de 1 de fevereiro, que derrubou o executivo eleito dirigido por Aung San Suu Kyi, têm-se multiplicado de forma quotidiana as manifestações em Rangum e noutras cidades do país, apesar das forças de segurança terem começado a recorrer a munições reais. Até ao momento, há registo de pelo menos 54 mortos.

O emissário da ONU encarregue de investigar a situação no país, Thomas Andrews, recomendou a imposição de um "embargo mundial à venda de armas" ao Myanmar e afirmou que "mesmo se o futuro [...] é determinado pelo povo [birmanês], a comunidade internacional deve agir de forma urgente e decisiva para o apoiar".