ONU condena violência em Myanmar

ONU condena violência em Myanmar
Direitos de autor STR/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
De  Teresa Bizarro com Agências
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A pressão internacional aumenta sobre a junta que tomou o poder a 1 de fevereiro, mas os militares não cedem e acusam os líderes eleitos de corrupção

PUBLICIDADE

Sobem de tom os confrontos em Ragum no dia em que a junta militar de Myanmar acusou os líderes depostos de corrupção. Dizem que Aung San Suu Kyi, a chefe do governo, aceitou um pagamento ilegal de 600 mil dólares e mais de 11 quilos de ouro.

Os militares que tomaram o poder no golpe de 1 de fevereiro man´têm os dois líderes eleitos em prisão domiciliária.

O secretário-geral das Nações Unidas voltou a apelar para a libertação imediata de todos os prisioneiros. Para Antonio Guterres "é absolutamente essencial libertar todos os prisioneiros, respeitar os resultados das eleições e permitir que se regresse a uma transição democrática."

A pressão internacional para a libertação de todos os detidos desde 1 de fevereiro aumenta. Os 15 membros do Conselho de Segurança da ONU denunciaram as ações violentas da junta, incluindo a China e a Rússia, aliados tradicionais dos generais birmaneses. Apesar isso, a junta não dá sinais de ceder.

Em Rangum e Mandalay, as duas maiores cidades do país, as manifestações são diárias apesar do medo e da violência. Na primeira linha do protesto estão jovens universitários.

Nway Oo Shwe Yi, uma estudante entrevistada nas ruas de Rangum, afirma que o comportamento das autoridades mudou na manifestação de quarta-feira.

"Quando nos atacaram, ao contrário de outras forças de segurança, não usaram granadas de fumo. Começaram logo a disparar com armas e foram brutais. Não houve qualquer aviso. Não tínhamos armas como as deles. Prenderam cerca de 20 pessoas, incluindo os manifestantes da linha da frente," afirma.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Desobediência civil em Myanmar

Repressão policial aumenta em dia de greve geral em Myanmar

Monções em Myanmar deixam cinco mortos e 40 mil deslocados