Última hora
This content is not available in your region

Repressão policial aumenta em dia de greve geral em Myanmar

euronews_icons_loading
Repressão policial aumenta em dia de greve geral em Myanmar
Direitos de autor  STR/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

Em Mandalay, no norte de Myanmar, e em outras cidades da antiga Birmânia, os protestos continuam a ser a arma de arremesso contra a Junta militar responsável pelo golpe de Estado no país.

Em dia de greve geral convocada pelos sindicatos como forma de pressão, milhares de manifestantes saíram às ruas, esta segunda-feira, em nome da democracia.

Pelo menos seis pessoas foram feridas a tiro em Mandalay, vítimas da repressão policial.

Em Dawei, no sudoeste do país, funcionários públicos, agricultores e trabalhadores do setor privado juntaram-se aos apelos à greve. A Junta militar ameaçou de despedimento os manifestantes que não regressassem ao trabalho.

Já na capital económica, Rangum, várias mulheres comemoraram o dia 8 de março mostrando determinação em protesto contra a Junta Militar.

No leste do país, o braço armado do grupo étnico Karen tomou a dianteira de um protesto para proteger os manifestantes da repressão policial.

As forças militares e policiais já provocaram a morte de mais de 50 manifestantes. Esta segunda-feira duas pessoas foram mortas a tiro durante protestos na cidade de Myitkina.