EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Guterres condena junta militar do Myanmar

Guterres condena junta militar do Myanmar
Direitos de autor STR/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor STR/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Ao mesmo tempo que o secretário-geral das Nações Unidas condena a sangrenta repressão da junta militar, há polícias e soldados a fugir do que dizem ser "ordens para matar".

PUBLICIDADE

António Guterres condena a repressão violenta dos militares golpistas do Myanmar. Depois de um fim de semana particularmente sangrentom o secretário-geral das Nações Unidas, condenou, através do seu porta-voz, a violência das autoridades sobre o povo.

"De acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanosm até à data morreram 138 manifestantes pacíficos, incluindo mulheres e crianças, desde 1 de fevereiro. O secretário-geral condena nos mais fortes termos a violência continua contra manifestantes pacíficos e a continua violação dos mais básicos direitos humanos do povo de Myanmar", declarou Stephane Dujarric".

Entretanto, há soldados e polícias a desertarem das fileiras. Fogem para a Índia onde encontram refúgio do que dizem ser "ordens para matar".

Um refugiado na região indiana de Mizoram, afirmou à Agência France Press (AFP) que "os militares estavam a dar ordens para matar pessoas, pessoas como a minha mãe e o meu pai. Porque haverei de matar o meu próprio povo? Por isso fugi para Índia. Levei quatro dias para atravessar a fronteira. Fui de mota até uma aldeia e depois caminhei pela estrada da floresta até outra aldeia antes de chegar".

Pelo menos de 300 cidadãos de Myanmar, entre eles polícias e militares, deixaram o país para encontrarem abrigo da brutalidade dos militares do Myanmar.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Militares acusados de usar fogo real contra manifestações pacíficas

Manifestação dispersada com extintores de incêndio

Afegãos procuram sobreviventes após as inundações que causaram centenas de mortos