EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Dinamarca quer deportar refugiados sírios

Dinamarca quer deportar refugiados sírios
Direitos de autor Per Rasmussen/AP
Direitos de autor Per Rasmussen/AP
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Decisão está a ser criticada pela Comissão Europeia, que estima que as condições para o regresso ainda não estão reunidas.

PUBLICIDADE

A Dinamarca decidiu deportar 94 refugiados sírios, com a alegação de que Damasco e a zona em redor da capital síria passaram a ser zonas seguras. Os refugiados em questão vão perder as autorizações de residência e colocados em campos de deportação na Dinamarca. Não vão, para já, ser enviados para a Síria. A decisão,** avançada pela imprensa britânica,** está a gerar críticas, nomeadamente na Comissão Europeia.

"A Dinamarca não deve forçar ninguém a regressar à Síria neste momento. Estamos a seguir este assunto e vamos falar com aqueles que pensam que chegou a altura para o regresso. Os regressos devem ser voluntários, seguros, dignos e sustentáveis e as condições para isso ainda não estão reunidas na Síria", disse o comissário para a gestão de crises, Janez Lenarčič.

Apesar do aparente apaziguamento em Damasco, o conflito sírio, que dura há dez anos, continua em grande medida aceso, tal como continuam as detenções arbitrárias e desaparecimento de opositores ao regime de Bashar el-Assad, segundo um relatório agora publicado pela comissão de inquérito das Nações Unidas. A Comissão Europeia acusa Copenhaga de faltar à obrigação de proteger os refugiados e incentivar outros países a seguir uma política semelhante, que considera perigosa. A euronews pediu já um comentário por parte do governo dinamarquês.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ex-ministra da Imigração julgada por separar requerentes de asilo

Von der Leyen admite acordo com eleitos pelo partido de Meloni

Nicolas Schmit: "Está fora de questão chegar a acordo com a extrema-direita"