Última hora
This content is not available in your region

Cimeira "Med5" quer mais UE na crise dos migrantes

De  Euronews
euronews_icons_loading
Cimeira "Med5" quer mais UE na crise dos migrantes
Direitos de autor  ARIS MESSINIS/AFP
Tamanho do texto Aa Aa

Os cinco países da União Europeia com fronteiras no mediterrâneo e na linha da frente da migração massiva dos últimos anos querem dos 27 estados membros mais disponibilidade para receber migrantes, um mecanismo centralizado de repatriamento Europeu e mais cooperação internacional.

A vontade comum de Itália, Grécia, Espanha, Chipre e Malta ficou vincada numa cimeira dos ministros do interior em Atenas.

"Não podemos continuar a ser punidos por causa da nossa posição geográfica. Não podemos mais ser deixados sozinhos à nossa sorte perante chegadas irregulares de países terceiros. Não podemos ser castigados por salvarmos vidas no mediterrâneo, declarou Byron Camilleri, ministro do Interior de Malta.

"Ao reforçarmos a cooperação com os países de origem e trânsito, podemos impedir chegadas irregulares e também impedir o tráfico de pessoas, de imigrantes e claro a perda de vidas humanas".
Fernando Grande-Marlaska
Ministro do Interior de Espanha

O homólogo espanhol, Fernando Grande-Marlaska, explicou que "ao reforçarmos a cooperação com os países de origem e trânsito podemos impedir chegadas irregulares e também impedir o tráfico de pessoas, de imigrantes e claro a perda de vidas humanas".

Na mesma altura, mais de um milhar de pessoas manifestaram-se no centro da capital grega para exigir solidariedade com migrantes e refugiados.

Querem segurança, direito a asilo e educação para os migrantes, que na maioria dos casos submetem-se a perigosas viagens para chegar a solo europeu.