EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Moçambique tenta reconquistar vila de Palma

(Arquivo)
(Arquivo) Direitos de autor LUSA
Direitos de autor LUSA
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A vila no extremo norte de Moçambique é controlada por guerrilheiros depois de um ataque na quarta-feira que originou mortos, feridos e muitos deslocados, incluindo expatriados que trabalham para a petrolífera Total.

PUBLICIDADE

As Forças armadas moçambicanas garantem estar a combater para expulsar os guerrilheiros da vila de palma, no norte de Moçambique. A povoação caiu as mãos dos jihadistas entre sexta-feira e sábado.

As milícias semeiam o terror na região desde pelo menos 2017, atacaram a cidade por três frentes.

Portanto, é uma região que tem sofrido de má governação, corrupção em grande escala. E depois há esta descoberta maciça de gás que oferece potencial para a região. Mas os habitantes locais não estão veem nada.
Jakkie Cilliers
Analista do Instituto sul-africano para Estudos de Segurança

 Existem vários motivos para o caos na região, como explica Jakkie Cilliers, do Instituto sul-africano para Estudos de Segurança, sedeado em Pretoria. "O problema é que Moçambique não tem controlado eficazmente a parte norte do seu território. O Oeste e o Norte de Moçambique têm estado envolvidos em guerras e conflitos em curso com a Renamo, que foi originalmente estabelecido pelas antigas forças de segurança da Rodésia e pelos sul-africanos como uma espécie de grupo contraterrorista interno em Moçambique. Portanto, é uma região que tem sofrido de má governação, corrupção em grande escala. E depois há esta descoberta maciça de gás que oferece potencial para a região. Mas os habitantes locais não estão veem nada. O que eles veem são centenas de estrangeiros, incluindo sul-africanos, expatriados e outros, a entrarem para construir, conceber e fornecer recursos. Mas muito pouco disso está a chegar aos habitantes locais. E devido à componente de crime organizado, um alimenta-se do outro e, eventualmente, pessoas desesperadas recorrem a meios desesperados".

A população tenta escapar ao terror e à morte das milícias. De acordo com testemunhas,

são visíveis corpos de adultos e crianças assassinados nas ruas da vila.

Um barco com 1800 pessoas que fugiram dos ataques terroristas já está na cidade de Pemba. A bordo seguiram 200 expatriados, de várias nacionalidades, muitos a trabalharem para a petrolífera total, que se refugiaram no hotel Amarula, em Palma, na quarta-feira à tarde, quando o ataque armado à vila começou.

Moçambique vive nos últimos tempos à beira de uma catástrofe humanitária com o massacre de populações, muitas pessoas são decapitadas, e com o êxodo em massa. Há pelo menos 700 mil deslocados, a maioria procura refúgio em campos junto à cidade de Pemba.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

População de Cabo Delgado precisa de apoio internacional

Centros de saúde em Cabo Delgado "vandalizados, queimados, ou destruídos"

Ataque com bomba na capital da Somália mata nove pessoas que assistiam à final do Euro 2024