EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

27.° Aniversário do genocídio dos Tutsis no Ruanda

Relatório faz uma retrospetiva do envolvimento francês nos acontecimentos
Relatório faz uma retrospetiva do envolvimento francês nos acontecimentos Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A violência extrema provocou a morte de mais de 800.000 tutsis e hutus moderados em cerca de 100 dias. O aniversário ocorre no mesmo dia em que França abriu ao público milhares de documentos, alguns deles confidenciais, relativos à situação no Ruanda entre 1990 e 1994.

PUBLICIDADE

O Ruanda assinalou, esta quarta-feira, o 27° aniversário do início do genocídio dos tutsis com uma cerimónia em Gisozi, liderada pelo presidente Paul Kagame.

A violência extrema provocou a morte de mais de 800.000 tutsis e hutus moderados em cerca de 100 dias. Este é um dos piores massacres étnicos da história recente.

O aniversário ocorre no mesmo dia em que França abriu ao público milhares de documentos, alguns deles confidenciais, relativos à situação no Ruanda entre 1990 e 1994.

Estes são os arquivos do antigo presidente gaulês, François Miterrand, e do então primeiro-ministro Edouard Balladur.

No relatório que faz uma retrospetiva do envolvimento francês nos acontecimentos desses quatro anos, coordenado por Vincent Duclert e apresentado em março, o historiador afirmou que apesar de não se ter encontrado "nenhum documento francês que diga 'a minoria Tutsi deve desaparecer do Ruanda'" a verdade "é que a política francesa no Ruanda entre 1990 e 1993 fomentou as condições para o processo genocida." Os historiadores sublinham que apesar de François Mitterrand ter ignorado várias advertências, os documentos ilibam a França de cumplicidade no massacre.

As Nações Unidas assinalaram, também, o aniversário do genocídio. O secretário-geral, António Guterres, afirmou que o mundo tem de garantir que as lições de há 27 anos foram compreendidas e que dias como aqueles, que estão "entre os mais terríveis da história humana", nunca mais se repitam.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Putin declara luto nacional na Rússia e insiste no envolvimento de Kiev

Anders Breivik perde processo contra Estado norueguês e continuará em confinamento solitário

Assassino norueguês Anders Breivik acusa Estado de violação de direitos humanos