EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Lukashenko aumenta poder do Conselho de Segurança

Lukashenko aumenta poder do Conselho de Segurança
Direitos de autor Sergei Sheleg/BelTA Pool Photo via AP
Direitos de autor Sergei Sheleg/BelTA Pool Photo via AP
De  Nara Madeira com AFP, AP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Em caso de morte de Alexander Lukashenko poderá ser o seu filho a assumir a liderança da Bielorrússia.

PUBLICIDADE

O presidente da Bielorrússia anunciou que vai mudar a lei para que, no caso de ser assassinado, o poder passe para as mãos do Conselho de Segurança Nacional. Organismo do qual o seu filho mais velho, Victor Lukashenko, é conselheiro.

Há quem sugira que Alexander Lukashenko, que governa o país desde 1994, pretende criar uma espécie de dinastia política, o que o próprio nega. O chefe de Estado justifica a decisão dizendo que não há garantias de que tudo "correrá bem" se "amanhã não houver presidente". Por isso, assinará "nos próximos dias um decreto sobre a estrutura do poder na Bielorrússia. Se o Presidente for morto o Conselho de Segurança assumirá o poder no dia seguinte", afirmou.

O próprio Lukashenko é o chefe deste Conselho de Segurança, mas o seu filho é considerado como o seu líder informal. 

Atualmente, é o primeiro-ministro que assume os poderes presidenciais se acontecer alguma coisa ao chefe de Estado. O novo decreto estabelece que o chefe do executivo será apenas o líder nominal. Todas as decisões serão tomadas pelo referido conselho.

Desde as últimas Presidenciais que o país vive uma crise política com a oposição, apoiada por uma série de países, a não reconhecer os resultados oficiais que deram uma vitória esmagadora a Lukashenko. 

A indignação tem-se espelhado nas ruas com manifestações, em várias cidades, que se repetem há largos meses. 

Aquela que é hoje líder da oposição, Sviatlana Tsikhanouskaya, está refugiada na Lituânia. As autoridades bielorrussas querem a sua extradição para ser julgada por incitamento à rebelião. 

Tsikhanouskaya passou, em pouco tempo, do anonimato às luzes da ribalta, ainda que de uma forma ingrata. A antiga professora é casada com aquele que deveria ser um dos candidatos às Presidenciais no país, mas que está detido há mais de um ano. Tsikhanouskaya acabou por assumir o lugar deixado vago pelo seu companheiro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Lukashenko fala em "novos presidentes" na Bielorrússia

Apelo à mediação internacional na Bielorrússia

Jornalistas condenadas à prisão na Bielorrússia por filmarem protestos