Última hora
This content is not available in your region

Presidente da União Africana "dececionado com a Cimeira de Paris"

euronews_icons_loading
Presidente da União Africana "dececionado com a Cimeira de Paris"
Direitos de autor  euronews
Tamanho do texto Aa Aa

Pela primeira vez em 25 anos, as economias africanas entraram em recessão, após terem sido gravemente abaladas pela pandemia de covid-19. O Fundo Monetário Internacional (FMI) estima que são necessários 300 mil milhões de dólares para que o continente africano saia desta crise económica. Félix Tshisekedi, presidente da República Democrática do Congo e atual Presidente da União Africana, falou com a Euronews sobre as crises que afetam o desenvolvimento do continente, após a Cimeira de Paris.

François Chignac, Euronews: Cerca de 20 Chefes de Estado africanos e delegações internacionais estiveram em Paris, depois de o Presidente Emmanuel Macron os ter convidado. Serão as conclusões desta cimeira, de certa forma, o ponto de partida para a recuperação das economias africanas?

Félix Tshisekedi: Antes de mais, gostaria de agradecer ao presidente francês, Emmanuel Macron, por esta iniciativa corajosa e sem precedentes. Porquê inédita? Porque, finalmente, foi capaz de envolver os africanos na reflexão sobre o próprio futuro. Porque, até agora, as decisões eram tomadas na ausência dos africanos e só depois enviadas para nós. Aqui, estamos a pilotar este processo em conjunto. Gosto do termo que o presidente Macron utilizou, o "New Deal".

Sei que a tarefa vai ser difícil. Mas estou confiante, porque o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, que é também um africanista empenhado, participou na conferência. Estabelecemos uma série de objetivos, até à primeira metade de 2022, durante as eleições presidenciais francesas, onde vamos fazer o ponto da situação, durante uma cimeira União Europeia-União Africana. Depois talvez possamos então dizer-lhe se o que foi feito em Paris estava a ir na direção certa.

Ficámos um pouco dececionados com a Cimeira de Paris, porque nesta fase só temos 33 mil milhões [de dólares] atribuídos a África, o que é uma quantia muito pequena para 54 países
Félix Tshisekedi
Presidente da RD Congo e Presidente da União Africana

F.C.: As conclusões da Cimeira de Paris foram centradas na Saúde. Em que ponto estamos realmente, em termos de salvamento das economias africanas?

F.T.: A grande novidade é a decisão sobre os direitos de saque especiais, avaliados em 650 mil milhões de dólares. Ficámos um pouco dececionados com a Cimeira de Paris, porque nesta fase só temos 33 mil milhões atribuídos a África, o que é uma quantia muito pequena para 54 países.

O objetivo desta conferência era, entre outras coisas, angariar até 100 mil milhões. E depois das nossas discussões vimos que era possível ir mesmo além disso. A outra notícia é que a alavanca pela qual estes direitos de saque vão ser usados é o Banco Africano de Desenvolvimento, que conhece muito bem os países africanos e os desafios que eles enfrentam. E isto seria uma contribuição considerável para a anulação de uma parte das dívidas que estes países africanos têm.

F.C.: Voltemos à crise sanitária. Falou-se muito de vacinas. O que pensa sobre as conclusões desta Cimeira?

F.T.: É verdade que não vamos confinar todos os africanos em África. Serão forçados a deslocar-se, a interagir com outros, com o risco de contrair outra variante do vírus que poderá ser muito mais mortal e tornar a vacinação inútil. Por isso, acredito que temos de vacinar a maior quantidade de pessoas possível. Nesse sentido, foi feito um apelo àqueles que detêm os direitos destas vacinas. E isso terá também um impacto positivo no nosso povo que tem sido fortemente manipulado.

F.C.: As pessoas não confiaram nas vacinas no continente africano?

F.T.: Exatamente. O facto de os africanos terem desenvolvido esta resistência ao vírus levou muitos a acreditar que o vírus estava a afetar outros e não a nós. Mas isto é um erro, porque o vírus sofre mutações. Por isso, temos de nos proteger.

A resposta da Europa é radical e consiste em fechar as portas. Acredito que a resposta da Europa deveria ser falar com os africanos
Félix Tshisekedi
Presidente da RD Congo e Presidente da União Africana

F.C.: As pessoas têm dito frequentemente que existe falta de comunicação no continente africano.

F.T.: Antes disso, houve alguns erros. Estou a pensar na decisão de onze países europeus de suspender a vacina da AstraZeneca, que deu um impulso àqueles que defendem a opinião de que esta vacina é perigosa para os africanos.

F.C.: Após a crise sanitária e económica, falemos da crise dos migrantes. Muitos migrantes chegaram recentemente ao território espanhol. Enquanto presidente da União Africana, está em contacto com a União Europeia?

F.T.: Infelizmente ainda não, porque a resposta da Europa é radical e consiste em fechar as portas. Acredito que a resposta da Europa deveria ser falar com os africanos. E, antes de mais, ver de que países provém a maioria destes migrantes e ver como pode, trabalhando em conjunto com esses países, evitar estas migrações, reter estes jovens que estão de partida. Porque a verdadeira razão de tudo isto é o desespero.

Os jovens africanos acreditam que a Europa é um Eldorado e que, ao deixarem o país, podem encontrar a felicidade na Europa. Mas a Europa também tem os seus problemas. É muito difícil para estes jovens encontrar ali um lugar.

Temos, por um lado, de lhes explicar isto, mas, por outro, temos de lhes fornecer soluções para os seus problemas diários. O empreendedorismo jovem é algo que poderia ser eficaz.

São grupos terroristas islâmicos que juraram fidelidade ao Daesh e não se trata de um problema que afete apenas um país (...) Tendo em conta que estas regiões são potencialmente ricas em minerais e outros recursos, é [preciso] cortar o acesso a esse abastecimento, porque é isso que alimenta as suas atividades
Félix Tshisekedi
Presidente da RD Congo e Presidente da União Africana

F.C.: Falemos de Moçambique, onde existe uma séria ameaça jihadista. Como se lida com esta ameaça?

F.T.: O problema em Moçambique é semelhante ao do leste do meu país. São grupos terroristas islâmicos que juraram fidelidade ao Daesh e não se trata de um problema que afete apenas um país. E o risco é que este cancro se propague a toda a região, a todo o continente.

Por isso, temos de combatê-lo agora. Não podemos esperar. O que se está a passar em Moçambique atrai realmente a nossa atenção, porque é exatamente o mesmo fenómeno que estamos a viver no meu país.

O que é necessário fazer, tendo em conta que estas regiões são potencialmente ricas em minerais e outros recursos, é cortar o acesso a esse abastecimento, porque é isso que alimenta as suas atividades. Por isso, temos de trabalhar de forma rápida, eficiente e em conjunto.

F.C.: Há alguns meses, a comunidade internacional e a República Democrática do Congo sofreram uma pesada perda com a morte do embaixador italiano. Em que ponto estão as investigações a esta morte?

F.T.: As investigações estão em curso. A dada altura, tivemos alguns suspeitos que foram detidos. Penso que estão a ser interrogados, porque além destes suspeitos, existe toda uma organização. São criminosos, organizados em bandos e que, com certeza, têm mentores. Portanto, penso que é isso que temos de tentar localizar.

Temos a colaboração dos serviços italianos e estamos a trabalhar arduamente nesse sentido. É terrível. Fiquei muito triste com a sua morte e isso motiva-me ainda mais a procurar os suspeitos.

A solução encontrada - que não veio de nós, mas dos próprios chadianos - foi uma solução militar. Para mim, a partir do momento em que haja estabilidade, tudo bem. Mas não lhes estamos a dar um cheque em branco
Félix Tshisekedi
Presidente da RD Congo e Presidente da União Africana

F.C.: Enquanto presidente da União Africana, disse, há alguns dias, em relação à transição política no Chade, que essa transição tinha realmente de ser resolvida, a fim de manter a estabilidade no país.

F.T.: A solução encontrada - que não veio de nós, mas dos próprios chadianos - foi uma solução militar. Para mim, a partir do momento em que haja estabilidade... Eu estive em N'Djamena, no funeral do Presidente Deby, vi que o país estava estável, as pessoas estavam calmas.

Havendo estabilidade, tudo bem. Mas não lhes estamos a dar um cheque em branco. Dizemos isto, porque eles próprios disseram que vai haver eleições dentro de 18 meses e desejamos que esta transição seja o mais inclusiva possível, para eliminar qualquer possibilidade de alguém dizer "eu fui excluído, por isso vou resolver o meu destino pegando em armas".

Assim, se todos estiverem envolvidos, se todos acompanharem esta transição, teremos eleições livres, democráticas e transparentes. Esperamos, pelo menos, que assim seja, e nesse momento, o país regressará a uma estabilidade definitiva.

F.C.: A República Democrática do Congo espera estar representada no Conselho de Segurança da ONU?

F.T.: Sim, claro, temos a ambição levar a nossa voz ao Conselho da ONU. E acredito ser uma oportunidade - agora que também temos a União Africana - de sermos ouvidos nas Nações Unidas.