This content is not available in your region

UE lamenta fim das negociações com a Suíça

Access to the comments Comentários
De  euronews
euronews_icons_loading
UE lamenta fim das negociações com a Suíça
Direitos de autor  -Symbolbild- Pixabay

A União Europeia lamentou a "decisão unilateral" da Suíça de pôr termo às negociações com o bloco europeu para um novo acordo institucional.

O Executivo comunitário e a Suíça estão, desde 2014, em negociações que visavam aproximar a confederação helvética das regras em vigor no mercado único europeu.

"O nosso acordo comercial com a Suíça tem quase 50 anos. Os nossos pacotes de acordos setoriais têm mais de 20 anos. É evidente que a legislação europeia vai continuar a evoluir. Enquanto não tivermos acordos-quadro, nenhum destes acordos evoluirá. Haverá um fosso crescente, e isso significa oportunidades perdidas para os operadores suíços na União Europeia", adverte o porta-voz da Comissão Europeia, Eric Mamer.

Um dos principais pontos de discórdia tem sido a diferente interpretação da livre circulação de pessoas. O Governo suíço defendeu que a transposição das diretivas europeias "implicaria uma mudança de paradigma na política de migração que é amplamente aceite pela população"

"Tem havido pontos de convergência e esses mesmos pontos de convergência têm vindo a surgir nos últimos anos, no que diz respeito aos salários, às regras relativas aos auxílios estatais e, claro, à questão da imigração. Ouvimos o ministro suíço dos Negócios Estrangeiros dizer que se assinassem esse acordo bilateral, que permitiria aos titulares de passaportes da União Europeia viajar livremente para a Suíça e beneficiar do bem-estar social, isso significaria uma mudança de paradigma na política de imigração e migração no país e isso é algo que o país não se sentiria confortável em aceitar", relata a jornalista da euronews Meabh McMahon.

A União Europeia sublinhou que sem um acordo, a modernização da relação entre as duas partes não será possível, advertindo que isso poderá prejudicar vários acordos existentes, incluindo a cooperação nas áreas do comércio, educação e investigação.