Última hora
This content is not available in your region

João Almeida termina pelo segundo ano no top-10 do "Giro"

De  Francisco Marques
euronews_icons_loading
João Almeida com o vencedor do Giro2021, o colombiano Egan Bernal, após a 20.ª etapa
João Almeida com o vencedor do Giro2021, o colombiano Egan Bernal, após a 20.ª etapa   -   Direitos de autor  Marco Alpozzi/LaPresse via AP
Tamanho do texto Aa Aa

O ciclista português João Almeida, de 22 anos, voltou deixar excelentes indicações na Volta a Itália em bicicleta, com uma ponta final de categoria que o levou a encerrar o "Giro2021" na sexta posição, a 07:24 minutos do vencedor deste ano, o colombiano Egan Bernal.

Fast Day ???Giro is always special ? Super Happy to Arrive to Milano! #BotaLume ? @gettyimages

Posted by João Almeida - Atleta on Sunday, May 30, 2021

Pelo segundo ano consecutivo, Almeida termina o "Giro" no top-10. É o primeiro português a consegui-lo.

Depois de ter subido ao 10.° lugar da geral na terça-feira, ao cortar a meta em sexto na 16.ª etapa, no "dia off" do até aí líder da equipa Deceuninck, o belga Remco Evenepoel, Almeida "disparou" para uma ponta final de alto nível, aproveitando a maturidade ganha ao longo dos 15 dias com a camisola rosa na edição do ano passado para puxar pelas pernas nas derradeiras subidas deste ano.

Na quarta-feira, terminou no segundo lugar da 17.ª etapa. Voltaria a repetir o feito na 19.ª, sexta-feira, chegando aos seis pódios italianos desde o ano passado. Nas derradeiras jornadas, o português ambicionava ganhar terreno aos mais próximos adversários com o sonho de terminar no pódio da geral, que há um ano falhou por um lugar.

Dois quintos lugares nas 20.ª e 21.ª etapas permitiram-lhe apenas acabar em sexto da geral, mas a menos de um minuto do quinto, o também colombiano Dani Martinez, colega na Ineos de Bernal, o novo campeão do "Giro".

Remco Evenepoel viria mesmo a abandonar e com isso a confirmar o erro da aposta da Deceuninck.

João Almeida, que ainda não tem contrato para 2022 e mostra ser um dos melhores do mundo, fez um balanço "muito positivo" da prova italiana deste ano.

Estive bem na terceira semana, sempre com os melhores, e finalizar com um bom contrarrelógio, que não me favorecia muito por ser 100% plano.

"Subi algumas posições e aqui aprendi bastante para o futuro.

"Fica aquele sabor amargo, porque em três semanas de corridas, tantas horas em cima da bicicleta, perde-se um lugar na geral por meio segundo.

"Não tenho de provar nada a ninguém, só a mim próprio. Estes resultados são pelo meu esforço e sacrifícios. Quis mostrar, também, que sou um grande profissional.
João Almeida
Ciclista português da Deceunink-QuickStep

O outro português em prova nesta Volta a Itália, Nelson Oliveira, da Movistar, terminou a derradeira etapa com o 40.° melhor tempo e fechou no 27.° lugar da geral.

"No geral, foi bastante bom. Tive um bom início, tentei estar na disputa da geral, até. Tentei ajudar o [Marc] Soler, mas depois ele teve de abandonar, infelizmente, e trocámos as opções e objetivos da equipa. Para mim, foi um 'Giro' bastante interessante, senti-me bem durante todo o Giro e estou contente com a minha prestação", afirmou Oliveira, em declarações à Agência Lusa.

Este ano ano, o pódio na Volta a Itália ficou composto por Egan Bernal, pelo italiano Damiano Caruso (Bahrain Voictorious) e o britânico Simon Yates (Team Bikeekchange).