Última hora
This content is not available in your region

Turistas britânicos e empresários apanhados de surpresa

euronews_icons_loading
Aeroporto de Faro, Portugal
Aeroporto de Faro, Portugal   -   Direitos de autor  PATRICIA DE MELO MOREIRA/AFP or licensors
Tamanho do texto Aa Aa

As reações ao facto do Reino Unido ter retirado Portugal da lista verde, ou seja, do país já não ser considerado destino seguro, devido à evolução da pandemia de Covid-19, não se fizeram esperar. O setor português do Turismo está perplexo e os britânicos que estão no Algarve, por exemplo, também já que agora, no regresso a casa, terão de passar por um período de isolamento. Uma turista dizia ter ido para o sul do país para se divertir e que pensava que o país fosse permancer na lista verde, acrescentando não perceber a decisão do governo britânico.

Portugal e outros países do sul da Europa dependem do Turismo para fazer viver uma parte importante da sua economia. Para os empresários de ambos os países a decisão do governo britânico é inesperada.

Pedro Neto, diretor-geral do Vila Monte Farm House, esclarecia que espera "que, nas próximas semanas, o governo do Reino Unido possa alterar esta decisão e permitir que os viajantes regressem a Portugal" dizendo-se pronto para isso por se tratar de "um país seguro" já que o número de casos "é muito baixo" até porque "toda a gente está a seguir as regras", acrescentava que só querem "que as coisas decorram normalmente".

Johan Lundgren, diretor executivo da EasyJet concorda e vai mais longe diz que a decisão "não se justifica e é irracional. Portugal tem uma taxa de infeções semelhante à do Reino Unido e há muitos lugares no Reino Unido que têm taxas de infeção muito mais elevadas. Eles estão a deitar para o lixo o seu próprio livro de regras".

No Reino Unido o número de casos de infeção tem vindo a aumentar nos últimos dias. Quinta-feira atingiu os 5274, de acordo com dados oficiais, o valor mais elevado desde março.