Última hora
This content is not available in your region

CDU de Angela Merkel vence eleições regionais na Alta Saxónia

euronews_icons_loading
CDU de Angela Merkel vence eleições regionais na Alta Saxónia
Direitos de autor  Robert Michael/(c) dpa-Zentralbild
Tamanho do texto Aa Aa

A União Democrata Cristã de Angela Merkel venceu as eleições regionais na Alta Saxónia.

De acordo com as sondagens à boca das urnas, a CDU obteve 36% dos votos, mais de 6 pontos em relação ao escrutínio de há cinco anos, e muito à frente do partido nacionalista Alternativa para a Alemanha (AfD), que obteve 22,5%, ligeiramente abaixo do resultado das eleições anteriores.

O líder local da CDU reagiu. "Estou grato a todos os cidadãos por terem decidido democraticamente com uma grande, grande maioria, e assim também se terem demarcado claramente da (extrema) direita e que esta também continua a ser a nossa imagem, que nós, como democratas, também temos de defender uma democracia muito forte na Alta Saxónia", declarou Reiner Haseloff.

O escrutínio deste domingo, no pequeno estado com 2,2 milhões de habitantes, era visto como o último teste eleitoral da Alemanha antes das legislativas de setembro que colocarão fim à liderança de 16 anos de Angela Merkel.

Uma eventual vitória da AfD, além de simbólico, ter-se-ia tornado num grave problema para o ministro-presidente do Estado, Haseloff, da CDU, que veria em risco a manutenção da atual coligação, com o partido Social-Democrata (SPD) e os Verdes.

O presidente honorário da AFD, Alexander Gauland, não admite sido um mau resultado. "O facto de termos mantido o resultado contra a resistência feroz de todos os outros, contra o Antifa (Anti-fascistas), contra nós, por assim dizer, na campanha eleitoral, mostra que somos estáveis e que os nossos eleitores concordam connosco e estão satisfeitos", disse.

A nível nacional, a vitória da CDU na Alta Saxónia concede um balão de oxigénio a Armin Laschet, que desde janeiro está à frente da União Democrata Cristã, e que espera suceder a Angela Merkel, após as eleições legislativas de setembro.