This content is not available in your region

Julgamento sobre avião MH17 abatido na Ucrânia

Access to the comments Comentários
De  Euronews  com AFP
euronews_icons_loading
Julgamento sobre avião MH17 abatido na Ucrânia
Direitos de autor  Peter Dejong/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved

Depois de mais de um ano de sessões preparatórias, os juízes holandeses começaram esta segunda-feira a examinar as provas contra os suspeitos de abater o voo MH17 da Malaysia Airlines.

O voo, que partiu de Amesterdão e seguia para Kuala Lumpur, foi atingido por um míssil quando sobrevoava a zona de conflito armado no leste da Ucrânia.

O julgamento começou em março de 2020, mas até agora tem enfrentado várias disputas legais, principalmente por causa das provas do acidente que matou todas as 298 pessoas a bordo.

A equipa internacional de investigadores, liderada pelos Países Baixos, estabeleceu em maio de 2018 que o avião tinha sido abatido por um míssil BUK da 53ª brigada antiaérea russa sediada na cidade de Kursk, no sudoeste do país.

A procuradoria do tribunal holandês acusa de homicídio três cidadãos russos - Igor "Sterlkov" Girkin, Sergei Dubinsky e Oleg Pulatov - e um ucraniano - Leonid Kharchenko -, à revelia. Poulatov é o único dos quatro suspeitos a ter representação legal no local.

Julgamento nos Países Baixos

O julgamento está a decorrer no tribunal de Schiphol, em Amesterdão, porque está a uma curta distância do aeroporto de onde o Boeing descolou, e porque 196 das 298 vítimas eram holandesas.

Os juízes inspecionaram os destroços de impacto do voo MH17 da Malaysia Airlines pela primeira vez em maio, no sul dos Países Baixos, onde parte do Boeing 777 podia ser reconstruída utilizando peças da parte da frente.

O juiz presidente Hendrik Steenhuis descreveu-a como uma visita "emocional" para os familiares das vítimas, acrescentando que era "uma reconstrução de um avião em que os seus entes queridos estavam a caminho de um destino que nunca alcançaram".