Apple reforça privacidade

Apple reforça privacidade
Direitos de autor Mark Lennihan/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
De  Euronews com Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Uma nova funcionalidade permite aos utilizadores esconder os dados de navegação

A Apple apresentou a 'private relay', uma nova função que permite aos utilizadores esconder os dados de navegação da própria Apple, dos fornecedores de Internet e dos anunciantes.

PUBLICIDADE

A funcionalidade foi anunciada na conferência anual sobre o desenvolvimento de software da marca, e foi apresentada como o mais recente esforço da empresa para reduzir o rastreio dos seus utilizadores por anunciantes e terceiros.

Com a 'private relay', o tráfego da web é enviado para um servidor mantido pela Apple, onde é despojado de um pedaço de informação chamado endereço IP. A partir daí, a Apple envia o tráfego para um segundo servidor mantido por um operador terceiro que atribui ao utilizador um endereço IP temporário e envia o tráfego para o seu website de destino. A utilização de uma parte externa no segundo salto do sistema de retransmissão é intencional, para evitar que até mesmo a Apple conheça tanto a identidade do utilizador como o website que o utilizador está a visitar.

A gigante da tecnologia ainda não revelou quais os parceiros externos que irá utilizar no sistema, mas disse que planeia nomeá-los no futuro. A funcionalidade só deve estar disponível ao público no final deste ano, e vai ser proibida em vários países como a Arábia Saudita ou a Bielorrússia. Também não será permitida na China, um dos mercados mais importantes da Apple. O governo de Pequim mantém um sistema para vigiar e controlar a forma como os cidadãos utilizam a Internet

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bruxelas recorre a Tribunal de Justiça da UE contra a Apple

Apple vence recurso de 13 mil milhões contra Comissão Europeia

Microsoft anuncia acordo para adquirir a Activision Blizzard por 61 mil milhões €