Última hora
This content is not available in your region

Ouro para França e Bélgica e Anri Egutidze conquista o bronze

euronews_icons_loading
Ouro para França e Bélgica e Anri Egutidze conquista o bronze
Direitos de autor  IJF Media Team
Tamanho do texto Aa Aa

Clarisse Agbegnenou foi uma das estrelas do 4º dia do Campeonato Mundial de Judo em Budapeste, na Hungria.

A judoca francesa mostrou-se calma e concentrada durante o caminho para o tatâmi, e isso deu frutos.

Agbegnenou conquistou o seu quinto título mundial, esta quarta-feira, derrotando a eslovena Adreja Leski por ippon, na final feminina na categoria de -63Kg.

A judoca francesa recebeu a medalha de ouro das mãos do vice-presidente da Federação Internacional de Judo e Presidente da União Europeia de Judo, Sergey Solveychik.

Clarisse Agbegnenou confessou que este foi um ano muito difícil e por isso está muito feliz por ter chegado até aqui, com cinco medalhas de ouro. Duas obtidas em Budapeste. A judoca francesa concluiu, dizendo estar "muito orgulhosa".

A Europa conquistou mais duas medalhas, no feminino, desta feita de bronze, com a holandesa, Sanne Vermeer, e a sérvia Anja Obradovic a subirem ao pódio.

No masculino, a categoria -81kg viu Matthias Casse numa missão. O judoca belga tinha os olhos postos na medalha de ouro, depois de ter arrecadado a prata no último Campeonato Mundial em Tóquio, no Japão.

Na final, enfrentou o georgiano Tato Grigalashvili.

Casse conseguiu conter os ataques do rival, acabando por ganhar por ippon.

O belga recebeu a sua primeira medalha de ouro num campeonato mundial das mãos de Morinari Watanabe membro do Comité Olímpico Internacional e presidente da Federação Internacional de Ginástica.

Matthias Casse afirmou que arrecadar este título foi o seu principal objetivo desde o Mundial de Tóquio, onde deixou escapar a medalha de ouro. O belga confessou que "é incrível ganhar o ouro aqui, a última competição antes dos Jogos Olímpicos".

A Europa arrecadou ainda mais duas medalhas, ambas de bronze, conquistadas pelo holandês Frank De Wit e pelo português Anri Egutidze.