EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Família de George Floyd contesta veredito

Família de George Floyd contesta veredito
Direitos de autor Julio Cortez/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Julio Cortez/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Família de George Floyd contesta veredito. Ex-agente da autoridade Derek Chauvin foi condenado a 22 anos e seis meses de prisão

PUBLICIDADE

Vinte e dois anos e seis meses de prisão para o antigo agente da autoridade Derek Chauvin condenado pelo assassinato do afro norte-americano George Floyd morto em Minneapolis em maio de 2020.

A irmã da vítima contestou a decisão do tribunal.

"Aposto que se tivesse sido um negro a asfixiar um branco no pescoço não seria condenado a 22 anos. Ele seria condenado à morte. Não está certo, claro que não", denunciou LaTonya Floyd, irmã de George Floyd.

De recordar que o polícia Derek Chauvin imobilizou a vítima com o joelho no pescoço durante nove minutos.

"Hoje estamos perante um ponto de viragem na América. Esta é a pena mais longa atribuída a um agente da polícia na história do estado do Minnesota", anunciou o advogado da vítima, Ben Crump. 

O presidente norte-americano Joe Biden acolheu com agrado o veredito admitindo contudo não conhecer todos os detalhes.

"Não conheço todas as circunstâncias da decisão mas segundo as linhas de orientação parece-me apropriado", adiantou o presidente Joe Biden.

Para além de Derek Chauvin outros três ex-agentes da autoridade enfrentam acusações separadas devido à violação dos direitos civis de George Floyd.

A morte de George Floyd deu origem a manifestações por todo o mundo de repúdio à violência policial.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Polícia condenado pela morte de Floyd recorreu à sentença

Os 100 dias de protesto do movimento "Black Lives Matter"

Milhares protestam contra o racismo em Londres