EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

A euronews visitou uma das cidades pós-conflito de Nagorno-Karabakh

A euronews visitou uma das cidades pós-conflito de Nagorno-Karabakh
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

É a primeira televisão a visitar o local pós-guerra

PUBLICIDADE

Shusha é uma cidade pequena, com apenas cinco quilómetros quadrados de tamanho, está localizada a 1.600 metros de altitude e costuma ser chamada de "jóia da coroa de Karabakh." 

A Euronews é a primeira equipa de televisão com acesso restrito a esta cidade estrategicamente importante. 

Shusha é um terreno sagrado para turcos do Azerbaijão e arménios. Conhecida como Shusha para uns e Shushi por outros, tem sido um campo de batalha importante no conflito de longa duração de Nagorno-Karabakh.

A área esteve sob controlo arménio nas últimos 30 anos, até à breve e sangrenta guerra do ano passado.

Mesmo no centro, há uma antiga catedral. Foi parcilamente destruída durante a guerra, naquilo que os arménios dizem ter sido um ataque deliberado.

Como se pode ver, a igreja está coberta de andaimes e a grande placa na fachada diz-nos que está a ser reconstruída pelo governo do Azerbaijão.

Rizvan Huseynov, especialista da Unesco, explicou à euronews que este santuário foi construído no século XIX. Nos últimos 100 anos, foi reconstruída várias vezes.

É assim um pouco por toda a cidade, conforme a reconstrução pós-conflito traz uma nova vida a uma cidade velha. Há zonas que estão a ser reconstruídas em primeiro ligar, como o Karabach Hotel.

Elchin Bashirli, gestor da obra explica que no início da intervenção, "não havia nem água nem eletricidade".

Mas não é assim tão fácil reconstruir uma comunidade. Durante o conflito, a população arménia fugiu, deixando para trás tudo. Agora, algumas famílias de azerbaijanos voltam às casas que abandonaram há décadas.

A cidade ainda carrega as cicatrizes da recente guerra . Talvez o futuro traga esperança para que azerbaijanos e arménios aprendam a coexistir e uma forma pacífica.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Estamos do vosso lado", diz Charles Michel ao PM da Arménia

Um país que não existe nos mapas

Amnistia Internacional denuncia crimes de guerra em Nagorno-Karabakh