EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Alemanha vai dar terceira dose aos mais vulneráveis

Alemanha vai dar terceira dose aos mais vulneráveis
Direitos de autor أ ف ب
Direitos de autor أ ف ب
De  euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Alemanha vai administrar a terceira dose da vacina contra a Covid-19 a idosos e pessoas vulneráveis a partir de 1 de setembro.

PUBLICIDADE

A Alemanha vai administrar a terceira dose da vacina contra a Covid-19 a idosos e pessoas vulneráveis a partir de 1 de setembro.

O novo reforço será feito com doses da Pfizer ou Moderna, mas também vai ser proposto a quem recebeu duas doses da AstraZeneca ou uma da Janssen.

O ministro da Saúde alemão mostrou-se preocupado com a possibilidade de "uma resposta imunológica reduzida ou em rápido declínio" contra o novo coronavírus entre alguns grupos.

Desde sexta-feira que Israel está a vacinar com uma terceira dose pessoas com mais de 60 anos. O Governo israelita diz que há um número crescente de infeções em cidadãos vacinados que desenvolvem sintomas graves. Mais de 80% da população israelita com 16 anos ou mais já tinham recebido as duas doses.

Na Polónia, um centro de vacinação na cidade de Zamosc, foi atacado na madrugada de segunda-feira. O ministro da Saúde polaco, Adam Niedzielski, visitou o local e não teve dúvidas na hora de classificar o ataque. “Foi um ato de terror, que é dirigido não só diretamente a quem trabalha aqui ou na delegação de saúde local, mas também um ato de terror contra o Estado”, sublinhou.

No fim de semana, um grupo de manifestantes antivacinas insultou os trabalhadores de um centro de vacinação em Gdynia, chamando-lhes "assassinos". A polícia foi chamada ao local.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Covid 19 desce no Reino Unido e Holanda e sobe na Roménia

População da China diminui pelo segundo ano consecutivo

Rishi Sunak pede desculpa aos familiares das vítimas da Covid-19