Última hora
This content is not available in your region

Atentados mortais em Cabul

Access to the comments Comentários
De  euronews
euronews_icons_loading
Atentados mortais em Cabul
Direitos de autor  AFP
Tamanho do texto Aa Aa

Pelo menos três pessoas morreram e mais de 10 ficaram feridos na sequência de várias explosões em Cabul, a capital do Afeganistão.

A maior explosão deu-se perto da residência do ministro afegão da Defesa e teve como origem um carro armadilhado.

Os atentados ocorreram horas depois de o exército do país ter pedido aos residentes de outra cidade para que saíssem antes de mais uma ofensiva contra os talibãs.

"Foi um ataque suicida levado a cabo por terroristas selvagens que atingiu a minha casa. Durante o incidente, pela graça de Deus, nem eu nem os meus familiares ficámos feridos, mas infelizmente vários dos meus guarda-costas ficaram feridos. Asseguro aos meus queridos compatriotas que tais ataques não podem ter qualquer impacto na minha vontade de defender os meus compatriotas e o meu país", afirma o ministro afegão da Defesa Bismillah Khan Mohammadi.

De acordo com as autoridades afegãs, todos os atacantes morreram durante os atentados.

Durante a noite, as ruas de Cabul foram-se enchendo de pessoas que manifestaram apoio às forças governamentais.

Os ataques das últimas horas ocorrem após uma escalada da violência por parte das milícias islâmicas fundamentalistas. Os ataques aumentaram desde que o presidente Joe Biden anunciou que as tropas norte-americanas iriam sair do Afeganistão até setembro.

Há uns dias, um comandante do exército afegão pediu às pessoas de Lashkar Gah, a capital da província de Helmand, para que abandonassem as suas casas caso os Talibãs estivessem ativos na área.

A milícia islamista está a avançar no sul do Afeganistão, capturando nove dos 10 distritos da capital da província de Helmand.

As forças governamentais afegãs lançaram ataques aéreos, apoiados pelos Estados Unidos da América, num esforço para defender Lashkar Gah.

A queda da cidade seria um rude golpe para as forças governamentais do país, em especial numa altura em que deixarão de contar com o apoio, no território das forças dos Estados Unidos e da NATO.