EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Há 55 milhões de pessoas com demência em todo o mundo

Há 55 milhões de pessoas com demência em todo o mundo
Direitos de autor previsioni OMS
Direitos de autor previsioni OMS
De  euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Organização Mundial de Saúde alerta que a maioria dos países não tem uma política nacional de apoio a estas pessoas e às suas famílias

PUBLICIDADE

Há mais de 55 milhões de pessoas a viver com demência, em todo o mundo, e apenas um quarto dos países tem uma política, estratégia ou plano nacional de apoio às pessoas com demência e às suas famílias.

De acordo com o documento, metade dos países com estratégias nacionais para apoiar as pessoas com demência e as suas famílias, está na Europa.

Estas são algumas das conclusões do "Relatório sobre a situação global da resposta de saúde pública à demência" da Organização Mundial de Saúde, divulgado esta quinta-feira.

A OMS estima que dos 55 milhões de pessoas a viver com demência, em todo o mundo, 8,1% são mulheres e 5,4% são homens com mais de 65 anos.

Estima-se que estes números subam para 78 milhões até 2030 e para 139 milhões até 2050.

A demência é causada por uma variedade de doenças e lesões que afetam o cérebro, tais como a doença de Alzheimer ou um acidente vascular cerebral. Afeta a memória e outras funções cognitivas, e também a capacidade de executar tarefas quotidianas.

A incapacidade associada à demência é um fator determinante dos custos relacionados com a doença. Em 2019, o custo global afetado para a demência foi estimado em cerca de 1,1 biliões de euros. Prevê-se que o custo aumente para 1,4 biliões de euros até 2030, ou 2,4 biliões de euros, se corrigido por aumentos nos custos dos cuidados.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Incêndio de grandes proporções afeta empresa farmacêutica dinamarquesa Novo Nordisk

Homem que recebeu rim de um porco teve alta hospitalar

Canábis pode ajudar a travar cancro da pele