EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

UE apela a "reforço da confiança" com os EUA

UE apela a "reforço da confiança" com os EUA
Direitos de autor Jason DeCrow/AP
Direitos de autor Jason DeCrow/AP
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, apelou a um "reforço da confiança" entre a União Europeia e os Estados Unidos, depois da crise franco norte-americana gerada pelo caso dos submarinos australianos. O apelo foi feito antes do início de uma reunião com o homólogo norte-americano.

PUBLICIDADE

O chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, apelou a um "reforço da confiança" entre a União Europeia e os Estados Unidos, depois da crise franco norte-americana gerada pelo caso dos submarinos australianos. O apelo foi feito antes do início de uma reunião com o homólogo norte-americano, em Nova Iorque, à margem da Assembleia Geral da ONU.

"Tenho a certeza de que vamos falar sobre as questões recentes e que podemos construir uma confiança mais forte entre nós. Depois da conversa que houve esta manhã entre o presidente Biden e o presidente Macron, tenho a certeza que vamos trabalhar juntos", afirmou o chefe da diplomacia da União Europeia, Josep Borrell. 

"Com base na cimeira EUA-UE, muito importante e produtiva, na qual o presidente Biden participou, temos feito muito trabalho desde então e há muito para falar sobre o trabalho que estamos a fazer juntos literalmente em todo o mundo, incluindo no Afeganistão, no Indo-Pacífico e não só”, disse Antony Blinken, secretário de Estado dos EUA. 

Estas declarações aconteceram pouco depois de os presidentes dos Estados Unidos e da França terem concordado reunir-se em outubro e iniciar um processo de consulta para reduzir a tensão diplomática causada pelo caso dos submarinos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Joe Biden recebe Ursula von der Leyen e Charles Michel na Casa Branca

Três feridos em ataque à faca no metro de Lyon

Turistas retidos na Nova Caledónia começam a ser evacuados. Independentistas apelam aos protestos