Primeiro-ministro nomeado da Roménia renuncia ao cargo

Primeiro-ministro nomeado da Roménia renuncia ao cargo
Direitos de autor ANDREI PUNGOVSCHI/AFP or licensors
Direitos de autor ANDREI PUNGOVSCHI/AFP or licensors
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Nicolae Ciuca falhou o apoio parlamentar para a formação de um novo governo, numa altura em que o país lida com uma crise sanitária devido à covid-19.

PUBLICIDADE

O primeiro-ministro romeno designado, Nicolae Ciuca, renunciou ao mandato para formar um novo governo. 

Após a nomeação do presidente, Ciuca propôs um "amplo armistício" entre os partidos até a crise gerada pela covid-19 estar resolvida, esperando que "um governo minoritário passasse na votação do Parlamento". 

No entanto, cedo se apercebeu de que até à votação no final desta semana não teria o apoio necessário dos deputados, inclusive de membros do Partido Liberal Nacional, a força política a que pertence, leais ao antigo líder, Ludovic Orban.

Ciuca foi nomeado para liderar o governo da Roménia, após uma moção de censura ter levado à queda do executivo chefiado por Florin Citu, a 5 de outubro.

Citu, que já tinha sido nomeado pelo presidente Klaus Iohannis, em dezembro do ano passado, manter-se-á em funções até um novo chefe de governo ser encontrado.

A renúncia agora anunciada por Nicolae Ciuca vem prolongar a crise política instalada há meses, numa altura em que o país combate um surto de casos de covid-19 e o sistema nacional de saúde vive assoberbado pela pandemia.

Espera-se que o presidente chame os partidos com assento parlamentar para decidir sobre uma nova nomeação. Após a rejeição de dois nomes, Klaus Iohannis pode dissolver a assembleia e convocar eleições antecipadas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Roménia enfrenta nova vaga da Covid-19

Escândalo em lares de idosos e deficientes faz cair dois ministros

Chefe dos serviços secretos militares israelitas demite-se por não ter evitado ataque do Hamas