EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Bispos franceses compensam vítimas de abuso sexual

D. Eric de Moulins-Beaufort, Presidente da Conferência Episcopal Francesa
D. Eric de Moulins-Beaufort, Presidente da Conferência Episcopal Francesa Direitos de autor AFP
Direitos de autor AFP
De  Patricia Tavares
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Fundos para indemnizações provenientes da venda de bens da Igreja.

PUBLICIDADE

Depois dos pedidos perdão surge a possibilidade de indemnização.Dois dias depois de reconhecer "a responsabilidade" da Igreja Católica em crimes sexuais cometidos contra menores em França desde 1950, a Conferência Episcopal do país anuncia medidas concretas. As vítimas serão indemnizadas se solicitarem essa compensação financeira. Vai ser estabelecido um fundo e vai ser criada uma autoridade nacional independente.

Os bispos de França decidiram acrescentar a este fundo o quanto for necessário, despojando-se de imóveis e mobiliário da Conferência Episcopal ou das dioceses. Não aceitaremos dinheiro das dádivas à Igreja, não utilizaremos os fundos que os fiéis nos dão para as missões de evangelização ou para outras missões, razão pela qual existe um fundo específico, mas utilizaremos as reservas de segurança que temos à nossa disposição (...) Também decidimos, se necessário, contrair um empréstimo para podermos honrar as nossas obrigações.
D. Eric de Moulins-Beaufort
Presidente da Conferência Episcopal Francesa

Algumas vítimas de abuso não pretendem uma compensação financeira. Querem simplesmente saber se o seu agressor ainda está vivo, outras tem necessidade de um encontro com ele. Para esta tarefa, os bispos estão a pedir ao Papa Francisco que envie uma pessoa de confiança para "rever" o esquema de compensações.

Os bispos disseram-se prontos a demitir-se se o Santo Padre assim o exigisse - sendo esta uma das exigências das vítimas. O relatório de uma comissão independente sobre os abusos sexuais na Igreja abalou a instituição ao estimar que 330 mil pessoas, com mais de 18 anos, tinham sido abusadas sexualmente desde 1950, quando eram menores, por clérigos, religiosos ou pessoas ligadas à Igreja Católica.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

É preciso "romper o silêncio" das vítimas no seio da Igreja em Portugal

Macron desloca-se à Nova Caledónia para tentar pôr termo à violência no arquipélago

Polícia francesa mata homem que tentava incendiar sinagoga em Rouen