EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Charles Michel admite financiar muro na fronteira com a Bielorrússia

Charles Michel admite financiar muro na fronteira com a Bielorrússia
Direitos de autor Leonid Shcheglov/BelTA
Direitos de autor Leonid Shcheglov/BelTA
De  Bruno Sousa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Financiamento de barreira física tinha sido inicialmente rejeitado por Ursula von der Leyen mas foi agora admitido em pleno aniversário da queda do Muro do Berlim

PUBLICIDADE

"Peões" usados por Alexander Lukashenko de forma "cínica e chocante". Foi desta forma que Charles Michel descreveu os migrantes que tentam entrar em território europeu através da Bielorrússia.

Enquanto celebrava o aniversário da queda do Muro de Berlim, o Presidente do Conselho Europeu admitiu que Bruxelas poderia financiar um novo muro a leste para separar União Europeia e Bielorrússia:

"Estamos perante um ataque híbrido brutal às fronteiras da União Europeia. Abrimos o debate acerca do financiamento de uma estrutura física na fronteira e a questão deve ser resolvida rapidamente, porque as fronteiras polacas e lituanas são fronteiras europeias."
Charles Michel
Presidente do Conselho Europeu

Polónia e Lituânia já começaram a construção de uma barreira física por iniciativa própria, depois do pedido inicial para ajuda europeia ter sido recusado categoricamente por Ursula von der Leyen. A nova declaração de Charles Michel sugere que os ventos estão a mudar em Bruxelas.

Varsóvia e Minskreforçaram a presença militar na fronteira, ainda assim, vários migrantes tentaram atravessar de forma ilegal na madrugada de quarta-feira. De acordo como o Ministério da Defesa polaco, foramdetidas todas as pessoas que conseguiram atravessar a fronteira.

A chegada do inverno promete agravar a situação para os milhares de retidos no local, que já enfrentam temperaturas negativas.

A União Europeia acusa o regime de Lukashenko de promover a chegada de migrantes do médio oriente e facilitar a sua chegada à União Europeia como retaliação às sanções económicas impostas por Bruxelas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Novas sanções à Bielorrússia vão visar companhias aéreas e agências de viagens

União Europeia prepara sanções contra a Bielorrússia

Tusk nomeia comissão para investigar influência russa e bielorrussa após detenções de espiões