This content is not available in your region

Braço-de-ferro entre migrantes e Polónia

Access to the comments Comentários
De  Nara Madeira  com AFP
euronews_icons_loading
Fronteira de Kuznica-Bruzgi, Polónia-Bielorrússia
Fronteira de Kuznica-Bruzgi, Polónia-Bielorrússia   -   Direitos de autor  Leonid Shcheglov/BelTA

O Ministério da Defesa polaco divulgou um vídeo que mostra o que diz serem migrantes a atacar membros das forças da autoridade e tentando "destruir a vedação para entrar em território polaco", acrescenta que a polícia fronteiriça utilizou "gás lacrimogéneo para reprimir" aquilo a que chamou de "agressão por parte dos migrantes". Mas do outro lado da barricada a história que se conta é outra.

Um curdo que aguarda na fronteira de Kuznica-Bruzgi dizia que "__passaram nove noites" a "dormir na floresta, ao frio, com fome", à espera que a Europa "abra o caminho", mas que a Polónia não deixa "que ninguém" os "ajude" e acrescentava que as pedras são a resposta ao gás lacrimógeneo que é disparado contra eles.

O ministro dos Negócios Estrangeiros russo condenava a ação polaca, até porque Moscovo é aliado da Bielorrússia. Sergei Lavrov afirmava que "o comportamento do lado polaco é absolutamente inaceitável" e acrescentava que "o uso de gás lacrimogéneo, canhões de água e tiros disparados sobre as cabeças dos migrantes em direção à Bielorrússia mostra o desejo de esconderem as suas ações".

São milhares os migrantes que aguardam, em condições muito complicadas, uma oportunidade para atravessar uma das fronteiras entre a Polónia e a Bielorrússia para chegar à União Europeia.

Outras fontes • RURTR, FIYLE