EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Polónia-Bielorrússia: Migrantes usam luz laser contra soldados polacos

Polónia-Bielorrússia: Migrantes usam luz laser contra soldados polacos
Direitos de autor Matthias Schrader/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Matthias Schrader/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Fronteira polaca já foi reforçada. Veja as imagens

PUBLICIDADE

A tensão aumenta na fronteira entre a polónia e a Bielorrússia. A Bielorrússia estará a ajudar migrantes a combater tropas polacas na fronteira. Guarda fronteiriça desmente. 

Há relatos de que as forças da Lukashenko estão a entregar gás lacrimogéneo aos migrantes para conseguiram passar pelos soldados polacos na fronteira. Mas a Bielorrússia diz que está a ajudar com água, comida, roupa e mantimentos. 

O vice-comandante responsável pelo controlo da fronteira diz que o lado bielorrusso está a fazer de tudo para prestar assistência aos refugiados.

Há também imagens dos migrantes a usar luzes laser para dificultar a visão do exército polaco, que já foi reforçado no terreno.

O presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, ameaçou interromper o fornecimento de gás russo à Europa, caso a União Europeia aplique mais sanções contra Minsk.

Vladimir Putin reagiu. Diz que tem mantido conversações com Lukashenko e que nunca ouviu falar de tal ameaça.

Numa entrevista a uma televisão russa, o presidente da Federação diz que mesmo que homólogo da Bielorrússia o faça, "não ganha nada com isso".

Putin deixou ainda um conselho: Que a União Europeia e Lukashenko se entendam para resolver a crise de migrantes na fronteira o mais rápido possível.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Braço-de-ferro entre migrantes e Polónia

Paraquedistas russos na fronteira Polónia-Bielorrússia

Crise humanitária está iminente mas União Europeia e Bielorrússia limitam-se a trocar acusações