This content is not available in your region

Troca de acusações na fronteira com a Bielorrússia

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques
euronews_icons_loading
Troca de acusações na fronteira com a Bielorrússia
Direitos de autor  Maxim Guchek/BelTA

O primeiro-ministro da Polónia fala de uma "situação geopolítica muito grave” aquela que se vive na fronteira com a Bielorrússia devido à forte pressão de milhares de migrantes que pretendem entrar na União Europeia.

Enquanto Mateusz Morawiecki se prepara para uma ronda diplomática europeia, com escala nos vizinhos da Lituânia e da sobre esta crise de migrantes, o respetivo ministro da Defesa reforçou as acusações de que é a Bielorrússia quem está a coordenar a pressão dos migrantes sobre a fronteira polaca.

Em entrevista à rádio RMF24, Mariusz Blaszczak disse haver agora um novo método a dificultar a ação das forças de segurança polacas.

"Não há dúvidas de que estes ataques são coordenados pelos serviços bielorrussos e este novo método passa pelo facto de haver agora pequenos grupos de migrantes a tentar forçar a passagem da fronteira em diferentes locais", detalhou o ministro da Defesa da Polónia.

Muitos dos migrantes que conseguem atravessar a fronteira acabam por ser resgatados após dias ou até semana a deambular por florestas.

Depois de receberem assistência, esses migrantes são transportados de novo para a fronteira, onde devem requerer asilo ou ser deportados para a Bielorrússia, de onde as acusações de má gestão desta crise estão a ser devolvidas.

Em entrevista à televisão estatal, o Presidente Alexander Lukashenko diz que "o confronto" começou quando "a passagem foi negada" aos migrantes.

"Os polacos começaram a utilizar canhões de água em violação de todas as normas e regras. O que é que descobrimos? Que estão a misturar químicos tóxicos, pesticidas e herbicidas, que é o que usamos para matar baratas e ervas daninhas. É isto que está a acontecer", garante Lukashenko, que numa entrevista à BBC difundida sexta-feira tinha admitido que os serviços bielorrussos podem ter ajudado migrantes a entrar na Polónia.

Seja como for, a tensão mantém-se alta na fronteira entre a Polónia e a Bielorrússia. Pelo menos 11 pessoas já terão perdido a vida atrás do sonho de uma vida melhor na União Europeia.

Esta sexta-feira à noite, de acordo com a polícia alfandegária polaca, voltou a haver confrontos entre migrantes e as forças de segurança na fronteira.

Outras fontes • AP, AFP