This content is not available in your region

Antony Blinken volta a ameaçar a Rússia

Access to the comments Comentários
De  Nara Madeira  com AP, AFP
euronews_icons_loading
Antony Blinken volta a ameaçar a Rússia
Direitos de autor  Jonathan Nackstrand/AP

A tensão na fronteira entre a Ucrânia e a Rússia esteve no centro do debate no primeiro dia de discussões entre os ministros dos Negócios Estrangeiros das 57 nações da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa. em Estocolmo a capital da Suécia.

As tropas russas estacionadas neste ponto estratégico são vistas como uma ameaça por Kiev e boa parte da comunidade internacional. O secretário de Estado dos EUA voltou a lançar avisos e ameaças a Moscovo. Antony Blinken exortou "a Rússia a respeitar a soberania e a integridade territorial da Ucrânia, a chamar as suas tropas, a devolver as forças às posições pacíficas, normais, e a implementar os compromissos de Minsk, particularmente, as disposições de cessar-fogo e as que permitem aos elementos da OSCE um acesso sem restrições".

A Ucrânia teme ser invadida pelo país vizinho, que já anexou a Crimeia. A Rússia insiste que não tem essa intenção e faz acusações a Kiev e aos seus aliados, sobretudo à Aliança Atlântica. O chefe da Diplomacia da Rússia, Serguei Lavrov, afirmou que a "NATO está a recusar" as suas "propostas para aliviar as tensões e acabar com a possibilidade de incidentes perigosos. A infraestrutura militar da aliança está a aproximar-se, irresponsavelmente, das fronteiras russas", afirmou Lavrov. "O cenário de pesadelo de um confronto militar volta a colocar-se depois da conhecida decisão da NATO. A Europa permanece em silêncio", referia o ministro dos Negócios Estrangeiros russo.

Já o seu homólogo ucraniano,  Dmytro Kuleba, dizia nas redes sociais, e após um encontro com Blinken em Estocolmo, que estão a "trabalhar em estreita colaboração no desenvolvimento de um pacote de dissuasão abrangente, incluindo sanções económicas severas, para desencorajar a Rússia de novos movimentos agressivos".