This content is not available in your region

Os rostos da crise na fronteira entre a Bielorrússia e a Polónia

Access to the comments Comentários
De  Valérie Gauriat
euronews_icons_loading
Witness
Witness   -   Direitos de autor  euronews

Quando a crise na fronteira entre a Polónia e a Bielorrússia eclodiu este verão, lembro-me de comentários de colegas jornalistas a dizer que tudo isto terá provavelmente explodido no outono. Fiz reportagem na região duas vezes desde essa altura e, apesar das medidas diplomáticas em curso, milhares de migrantes continuam presos no impasse entre Minsk e a União Europeia.

Na minha segunda visita, pude passar algum tempo no lado bielorrusso da fronteira, que se abriu aos meios de comunicação social. As autoridades estavam ansiosas para mostrarem que tinha havido melhorias, uma vez que centenas de pessoas bloqueadas no exterior em campos improvisados tinham recebido abrigo do frio num enorme armazém, ao largo da estrada em direção ao posto fronteiriço de Bruzgi.

"Oh uau!" Não pude deixar de o dizer, quando entrei no edifício, cheio de homens, mulheres e tantas crianças, empilhadas como gado, a remexerem e a matarem tempo em colchões empilhados nas prateleiras do armazém ou no chão. Senti-me como se tivesse acabado de entrar numa gigantesca exposição de miséria humana. O fedor. O meu intérprete teve de ir respirar no exterior antes de continuarmos.

As autoridades bielorussas tinham acabado de começar a organizar o acesso a cuidados médicos e instalações de higiene, mas as condições eram desastrosas. Essa não era a maior preocupação dos presentes. "Vendemos tudo para vir para aqui para chegarmos à Europa. Mas a Europa recusa-se a abrir-nos as suas portas. Eu e a minha família estamos prontos a ficar aqui mais 3 meses, até os governos europeus reagirem", disse Vian, uma mulher curda do Iraque, com determinação nos olhos, depois de tudo o que ela e a sua família tinham suportado na cidade iraquiana de Kirkuk, no norte do país, sob ataque do Daesh. Um jogo de xadrez, com migrantes na linha da frente, como um exército de peões.

Do outro lado da fronteira, na região de Podlasie, na Polónia, a tensão aumentou desde a minha primeira visita. Cerca de 15 mil polícias, guardas de fronteira e soldados estão destacados ao longo da fronteira. Os postos de controlo estão por todo o lado e a polícia e as militares vasculham todas as estradas.

A zona de exclusão de 3 quilómetros que se estende desde a fronteira com a Bielorrússia ainda é imposta a não residentes, organizações humanitárias e jornalistas.

Os ativistas locais continuam a fazer soar o alarme. Estão em curso devoluções arbitrárias de migrantes que chegam à Polónia, pelas forças de segurança. E aqueles que são forçados a regressar à Bielorrússia são, por sua vez, empurrados novamente para trás pelos soldados bielorrussos. Alegações que as autoridades bielorrussas rejeitaram repetidamente, embora o próprio Presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, tenha declarado que seriam feitas investigações.

Pelo menos 12 refugiados terão morrido na floresta polaca ao tentarem atravessar a fronteira. Um número que diz respeito apenas àqueles que foram encontrados.

Estive presente em dois funerais na pequena aldeia muçulmana de Bohoniki. No espaço de uma semana, três pessoas foram enterradas no cemitério de Bohoniki. "Haverá mais", comentou o imã da aldeia. Dois dias depois, o pequeno caixão de um nado-morto, cuja mãe morreu pouco tempo depois, foi acrescentado aos túmulos.

Os chamados "invasores" não estão preparados para desistir facilmente do seu sonho da Europa.

Tal como Ali, outro refugiado da Síria que, desta vez, encontro em Minsk, a capital bielorrussa. Deixa-me entrar no apartamento onde ele e vários companheiros estão escondidos. Estão a recuperar as forças, após várias tentativas falhadas de atravessar a fronteira. Foram reenviados três vezes para a Bielorússia, depois de terem alcançado tanto a Lituânia como a Polónia. Ali disse-me que numa ocasião, tinha conseguido ir para os Países baixos, mas foi apanhado pela polícia que o levou de volta para a Bielorrússia. Coxeando de uma velha ferida causada por um ataque terrorista na sua cidade natal, na Síria, diz-me que a dor piorou, devido à provação pela qual passou durante dias na floresta.

Já passaram duas semanas desde a nossa conversa. Enquanto escrevo estas palavras, não posso deixar de sorrir. Ali deu-me notícias. Cumpriu a sua promessa. Tentou de novo e, desta vez, foi resgatado por ativistas polacos na floresta. Agora está a salvo e apresentou um pedido de asilo na Polónia.

No dia 15 de dezembro, entrou em vigor a decisão das autoridades polacas para a construção de um muro ao longo da sua fronteira com a Bielorrússia.