EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Uma frente contra a "ameaça da Rússia"

Uma frente contra a "ameaça da Rússia"
Direitos de autor from AFP video
Direitos de autor from AFP video
De  Teresa Bizarro com Agências
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Lituânia e Polónia ao lado da Ucrânia no apelo a sanções agravadas para Moscovo

PUBLICIDADE

Polónia e Lituânia alinham-se ao lado da Ucrânia. Cimeira tripartida esta segunda-feira que termina com um apelo ao reforço das sanções contra a Rússia. A reunião acontece no dia em que os Estados Unidos emitiram um aviso a desaconselhar qualquer viagem à Ucrânia.

Os serviços secretos norte-americanos dizem que a Rússia já tem 70 mil militares junto à fronteira ucraniana e que prepara um ataque "no início de 2022".

Moscovo desmente qualquer intenção de avançar, mas o presidente ucraniano tem outras certezas.

"A nossa tarefa comum é conter a ameaça - a ameaça da Rússia - para proteger a Europa da política agressiva da Rússia. Hoje, a Ucrânia, a Polónia e a Lituânia estão na linha da frente desta contenção," diz Volodymyr Zelensky no final da cimeira, em Huta, nos Cárpatos da Ucrânia Ocidental.

Em 2014, a Rússia anexou a Península da Crimeia. É também conhecido o apoio de Moscovo aos separatistas de Donbass, uma região no leste da Ucrânia, em guerra com Kiev. Mais de sete anos de combates provocaram a morte a cerca de 14 mil pessoas e devastaram o coração industrial da Ucrânia. 

Nas últimas semanas, Moscovo tem repetido que vai responder ao menor sinal de ameaça.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Guerra fria versão 2.1" com conversa de paz prevista para Genebra

G7 vai explorar formas de utilizar os ativos russos congelados para ajudar Kiev

Ataque aéreo a Kharkiv faz pelo menos sete mortos. Zelenskyy condena brutalidade russa