This content is not available in your region

Afeganistão: 3,2 milhões de crianças subnutridas até ao final de 2022

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Afeganistão: 3,2 milhões de crianças subnutridas até ao final de 2022
Direitos de autor  Mstyslav Chernov/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.

O Afeganistão tem a taxa de mortalidade infantil mais elevada do mundo desde 2005, segundo a UNICEF.

Nos últimos 16 anos, mais de 28.500 crianças foram mortas e feridas em conflitos armados, o que equivale a 27% de todas as mortes de crianças em todo o mundo.

A UNICEF estima que até ao final de 2022, 3.2 milhões de crianças sejam confrontadas com falta de alimentos e que um milhão possa morrer de subnutrição. O governo afegão mostra-se impotente face a estas previsões.

O vice-ministro da Saúde, Abdul Bari Omar, afirma: "As estatísticas fornecidas pela UNICEF não são aceitáveis para nós. No setor da saúde foi-nos deixado como legado que 50 em cada mil crianças com menos de 5 anos de idade perdem a vida. Infelizmente, não dispomos de um hospital especializado e bem equipado no nosso país. Quando entrámos no Afeganistão, o Hospital Indra-Gandhi estava em muito mau estado".

A pobreza aumenta todos os dias no Afeganistão e as crianças são as principais vítimas desta situação. A UNICEF estima que, no final de 2022, 3,2 milhões de crianças estejam gravemente subnutridas, como o filho de Dilbar, que está hospitalizado há 45 dias

"Tratámo-lo em Maimana, mas não resultou, depois trouxemo-lo para o hospital civil estatal. Agora ele está bem aqui. Os médicos estão a dar-lhe medicamentos. Estou aqui há 45 dias. "

A Organização Mundial de Saúde (OMS) também levantou preocupações sobre a desnutrição infantil no Afeganistão. As Nações Unidas sublinharam que a maioria dos afegãos, especialmente em áreas remotas, enfrentam a fome e a má nutrição, e esta situação tem levado algumas famílias a venderem mesmo os seus filhos.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) diz que o Afeganistão já era um dos lugares mais perigosos do mundo para ser uma criança e durante o ano passado, a situação tornou-se ainda mais desesperada com o conflito, a seca, e a Covid-19 a contribuírem para uma emergência humanitária.

A UNICEF está no terreno no Afeganistão há 65 anos, com escritórios em todo o país e uma série de parceiros que a apoiam na prestação de assistência aos mais vulneráveis, especialmente as crianças. A organização está a aumentar os seus programas de salvamento de vidas para crianças e mulheres - incluindo através da prestação de cuidados de saúde, nutrição e água potável a famílias deslocadas.

Num cenário de conflito e seca, milhões de crianças continuam a necessitar de serviços essenciais, incluindo cuidados de saúde primários, vacinas salva-vidas contra a poliomielite e sarampo, nutrição, educação, proteção, abrigo, água e saneamento.

A UNICEF sublinha que necessita de financiamento urgente para garantir que os sistemas de saúde do país não entrem em colapso.