EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Michel Houellebecq regressa com "Anéantir"

Michel Houellebecq regressa com "Anéantir"
Direitos de autor THOMAS COEX/AFP or licensors
Direitos de autor THOMAS COEX/AFP or licensors
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A nova obra do escritor, considerado por vezes profético, levou a uma corrida às livrarias em França.

PUBLICIDADE

Em França, vive-se uma corrida às livrarias, com o lançamento de "Anéantir" (Aniquilar) a mais recente obra do escritor Michel Houellebecq, uma figura que tem tanto de polémica como de apaixonante para a legião de leitores que acumula por todo o mundo e se delicia com esta visão cínica da sociedade do século XXI.

"Penso que é o maior escritor francês vivo. Além disso, é contracultura, porque é homem, branco e heterossexual. É disso que precisamos. Literatura verdadeira, honesta e sincera", diz Leonardo, originário da Argentina.

Marie, francesa, diz: "É uma visão pessimista que partilho completamente. As personagens dele são personagens perdidas, que têm dificuldade em encaixar-se neste mundo que anda demasiado depressa e isso para mim é fascinante: Faz-me bem ler Houellebecq".

As personagens dele são personagens perdidas, que têm dificuldade em encaixar-se neste mundo que anda demasiado depressa e isso para mim é fascinante.
Marie
Leitora

Este é o oitavo romance do autor, considerado muitas vezes profético, e mistura reflexões sobre o fim da vida com uma intriga política passada em 2027. A primeira edição foi tirada a 300 mil exemplares, com a Flammarion a apostar numa edição ilustrada de capa dura. Michel Houellebecq é editado em Portugal pela Alfaguara e no Brasil pela Companhia das Letras, não havendo ainda data para a publicação da tradução portuguesa deste novo romance.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O "Íris Branco", 40° álbum da saga Astérix já está a venda

Centenas de milhar de pessoas ocupam Bayonne com o arranque das festas

Abertura da Bienal de Veneza marcada pelas guerras