This content is not available in your region

Cabo Verde pode tornar-se no maior berço de tartarugas-comuns

Access to the comments Comentários
De  Teresa Bizarro  com Lusa
euronews_icons_loading
Costa da ilha da Boavista, onde o biólogo espanhol Pedro Diaz, fundador da Bios.CV, trabalha nos projetos de conservação de tartarugas marinhas desde 1999
Costa da ilha da Boavista, onde o biólogo espanhol Pedro Diaz, fundador da Bios.CV, trabalha nos projetos de conservação de tartarugas marinhas desde 1999   -   Direitos de autor  ELTON MONTEIRO/ LUSA

Cabo Verde pode tornar-se ainda este ano no maior berço de tartarugas-comuns do mundo. No ano passado foram detetados mais de 200 mil ninhos em todo o arquipélago. Mais de 60 por cento numa só praia da ilha da Boavista, que tem um projeto próprio de conservação.

"No último ano, em 2021, aqui na Boavista encontrámos 155 mil ninhos. Pensamos que Cabo Verde pode vir a ter a maior população de tartarugas-comuns - as caretta-caretta - a nível mundial," diz Pedro Diaz, biólogo e fundador da organização Bios.CV.

De comum, esta tartaruga tem apenas o nome. Está classificada como espécie protegida em risco de extinção. Durante anos, foi intensamente procurada, pela riqueza da carne e dos ovos.

Pedro Diaz explica que "tradicionalmente a tartaruga era um recurso alimentar para as pessoas em Cabo Verde," uma realidade que "nos últimos 20 anos tem mudado bastante," não só porque existe legislação de proteção, mas porque "também existe mais consciência ambiental, sobretudo da população mais jovem". O biólogo espanhol trabalha na ilha da Boavista desde 1999 e considera que está demonstrado "que a existência destes projetos de conservação é boa para o turismo de Cabo Verde".

O programa de formação em conservação dá emprego a perto de três dezenas de residentes e recebe 26 voluntários, sobretudo estudantes, de vários países europeus.